Carnaval e peladas

Rei Momo impera

No Brasil quem governa é o rei Momo, a majestade dos foliões. Tanto é que o brasileiro deixa tudo de lado para entrar na farra. Altera tabela de jogos (a bola não corre neste domingo), faz doente levantar da cama para desfilar nas ruas e brincar nos salões. Carnaval na terra descoberta pelo portuga Cabralito é capaz até de fazer defunto cantar no caixão: “Daqui não saio, daqui ninguém me tira, onde é que eu vou morar...” Carnaval é loucura, chê! Desminta se for capaz.

 

 

 

 

 

 

Nem aí

Na Europa e em outros continentes, carnaval é uma festa comum como outra qualquer. Não tem essa de parar o trabalho e muito menos a bola, que corre solta em todos os campeonatos. Você que não é chegado a desfiles e bailes de carnaval, mas é louco por futebol, a ordem é assistir aos jogos dos campeonatos europeus. Falei e disse!

 

 

 

 

 

 

Carnaval e peladas

Eu era folião assumido e maluco por uma pelada (entenda-se futebol de rua e mesmo futebol de campo sem compromisso). Não perdia um só baile de carnaval e jogava peladas com sol quente, chuva e ventania. Comigo, em se tratando de futebol não tinha tempo ruim, era ripa na chulipa e pimba na gorduchinha. Ontem à noite, por exemplo, eu estava firme no Carnaval do Circo, no Golden Palace. Beleza pura!