Vereador Luiz Eduardo Nardi lamenta incoerências do governo Daniel Alonso

O vereador Luiz Eduardo Nardi (PR) lamentou as incoerências do governo Daniel Alonso (PSDB) em 11 meses de mandato. A última delas foi projeto de lei encaminhado à Prefeitura para reajustar o salário dos procuradores jurídicos em meio aos seguidos atrasos de salários dos aposentados e pensionistas nos últimos meses. A realização de uma reforma administrativa seria importante para garantir benefíci

O vereador Luiz Eduardo Nardi (PR) lamentou as incoerências do governo Daniel Alonso (PSDB) em 11 meses de mandato. A última delas foi projeto de lei encaminhado à Prefeitura para reajustar o salário dos procuradores jurídicos em meio aos seguidos atrasos de salários dos aposentados e pensionistas nos últimos meses.

A realização de uma reforma administrativa seria importante para garantir benefícios a diversas categorias, conforme Nardi. “Não se pode promover reajustes a apenas uma categoria”, frisou o parlamentar do Partido da República.

O edil lembrou que o servidor teve grandes perdas nestes primeiros meses da atual Administração. “O fim da cesta básica (vale alimentação) aos aposentados e pensionistas, a revogação do plano de carreira sem que fosse apresentada nova proposta e a rescisão de contrato do plano de saúde, via ASPMM (Associação dos Servidores Públicos do Município de Marília)”.

A tentativa de reajuste de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) em 14% por ano foi outra medida impopular do chefe do Executivo Municipal destacada por Nardi. “Se a Câmara não se posiciona totalmente contra o projeto, a cidade poderia ter um aumento que não condiz com a realidade econômica do País”.

O vereador ressaltou que a redução de cargos comissionados se faz necessária. “Em campanha eleitoral, o prefeito Daniel Alonso disse que iria cortar estes cargos, o que não aconteceu”.

Outra incoerência citada por Nardi foi o investimento da direção do Daem em caminhões, carros e motos, enquanto que o ideal seria empregar recursos para aumentar a oferta de água. “Não vimos obras para garantir mais água nas torneiras”.