Condenado por morte de PM no resgate de “Dú Cara Gorda” é preso no MT

O desempregado Thiago Scartezini Rodrigues foi preso na segunda-feira (30) pela Polícia Civil em Rondonópolis (MT). Ele foi condenado a mais de 22 anos de prisão pela participação na morte do policial militar Waldir Antônio Marques durante a perseguição ao bando que resgatou o criminoso Wander Eduardo Ferreira, o “Du Cara Gorda”, do Hospital das Clínicas (HC) de Marília, em crime ocorrido em outub

O desempregado Thiago Scartezini Rodrigues foi preso na segunda-feira (30) pela Polícia Civil em Rondonópolis (MT). Ele foi condenado a mais de 22 anos de prisão pela participação na morte do policial militar Waldir Antônio Marques durante a perseguição ao bando que resgatou o criminoso Wander Eduardo Ferreira, o “Du Cara Gorda”, do Hospital das Clínicas (HC) de Marília, em crime ocorrido em outubro de 2000.

Rodrigues teve mandado de prisão expedido pela 1ª Vara Criminal de Marília em 2014 após ser condenado a 22 anos, nove meses e sete dias de reclusão em regime fechado, mas estava foragido.

O desempregado foi preso por policiais do Garra (Grupo Armado de Resposta Rápida) da Regional de Rondonópolis no bairro Jardim Rondônia. Rodrigues foi recolhido em penitenciária no Estado do Mato Grosso.

Caso – Em outubro de 2000, o criminoso Wander Eduardo Ferreira, o “Dú Cara Gorda”, apontado como um dos líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), reclamou de dores e foi levado para o Hospital das Clínicas (HC) de Marília, onde horas depois foi resgatado por um bando armado.

O resgate de “Dú Cara Gorda” resultou na morte de quatro pessoas: dele próprio, de dois acusados de integrar a organização criminosa e de um policial militar. Um soldado foi ferido com um tiro nas costas e cinco envolvidos com a operação de resgate foram presos.

Depois de 56 horas de perseguição, o criminoso foi morto pela polícia com pelo menos oito tiros. Escondido, em um bairro na periferia de Marília, “Dú Cara Gorda” teria resistido à prisão. Cerca de 60 policiais militares participaram do cerco.

Ferreira ainda foi levado com vida para o HC, o mesmo de onde foi resgatado por um bando armado com fuzis e metralhadoras, mas morreu horas depois.

“Dú Cara Gorda” era condenado a 61 anos de prisão por dois homicídios e vários assaltos a bancos. Ele cumpria pena na Penitenciária de Marília.