Vacinação antirrábica: equipes de saúde vão percorrer propriedades rurais neste sábado

Moradores das zonas rurais, em áreas afastadas das sedes dos distritos, receberão neste sábado as equipes da Secretaria Municipal da Saúde para a vacinação em cães e gatos, contra a raiva. O trabalho será realizado das 8h às 17h, conforme mapeamento das áreas pela Divisão de Zoonoses. O objetivo é dar a oportunidade aos moradores que, em função da distância, ainda não tiveram acesso ao serviço. A

Moradores das zonas rurais, em áreas afastadas das sedes dos distritos, receberão neste sábado as equipes da Secretaria Municipal da Saúde para a vacinação em cães e gatos, contra a raiva.
O trabalho será realizado das 8h às 17h, conforme mapeamento das áreas pela Divisão de Zoonoses. O objetivo é dar a oportunidade aos moradores que, em função da distância, ainda não tiveram acesso ao serviço.
A campanha teve início no dia 23 de setembro, pela região norte da cidade. Além de dezenas de servidores, a ação mobiliza alunos da graduação em Medicina Veterinária da Universidade de Marília (Unimar). O último balanço indica que foram vacinados cerca de 20 mil animais, entre cães e gatos. A supervisora de saúde Adriana Antônia Dadalto explica que os agentes comunitários, no trabalho rotineiro de visita domiciliar, tem apoiado para ampliação da cobertura. “A informação chega às pessoas de várias formas: pela imprensa, pelas faixas, pelo nosso setor de divulgação e, principalmente, pelo contato individual. O trabalho dos agentes é imprescindível”, destacou.
O veterinário Lupércio Garrido Neto, que integra a equipe da Divisão de Zoonoses, lembra que a vacinação é o principal mecanismo para prevenção da doença. Cães e gatos a partir dos três meses já podem ser vacinados. Reações adversas acontecem em casos raros.
Não é necessário que o animal esteja em jejum, nem fazer repetição de dose. Apenas se o animal estiver doente, recomenda-se que seja tratado do respectivo problema, para posterior vacinação.
A RAIVA MATA
Lupércio revela que a raiva é uma infecção que ainda mata. No mundo, cerca de 70 mil pessoas morrem por ano. A doença é transmitida apenas por mamíferos, através da mordida do animal infectado com o vírus do gênero Lyssavirus. Na região de Marília, há registros em bubalinos e equinos, infectados por morcegos hematófagos.
Garrido lembra que o último caso de raiva canina na cidade foi notificado em setembro de 2000. O intervalo de 17 anos sem nenhum caso decorre das ações que incluem a campanha de vacinação, por isso a importância de levar o animal de estimação para aplicação da dose.