Vereadores comentam mudanças trazidas pela Reforma Política

Possíveis alterações na legislação como a criação do “Distritão”, o fim das coligações partidárias e o financiamento público de campanha deverão ser algumas das novidades

Os vereadores comentaram algumas mudanças que deverão ser trazidas pela Reforma Política que tramita no Congresso Nacional. O “Distritão”, que acaba com o quociente eleitoral e os mais votados são eleitos, o fim das coligações partidárias e o financiamento público de campanha deverão ser algumas das novidades.

O vereador Luiz Eduardo Nardi (PR) disse que é favorável ao voto distrital misto e não ao “Distritão”. “A eleição deveria ser por distrito (região) no caso de deputados e um indicado através de uma lista do partido. Isso reduziria sobremaneira os custos de campanha”.

Nardi salientou que o financiamento público de campanha é um mal necessário. “Com isso ficam impedidos compromissos espúrios com empreiteiras e fornecedores. A cláusula de barreiras também deveria vigorar para reduzir o número de partidos no Brasil”.

O edil José Luiz Queiroz (PSDB) enfatizou que o “Distritão” enfraquece os partidos. “Vai ser cada candidato por si e uma forma de blindar os caciques envolvidos com a Operação Lava Jato. Gostaria que fosse colocado em prática o voto distrital para garantir uma representatividade mais abrangente”.

O parlamentar se posicionou contra o financiamento público de campanha. “Isso é uma afronta à população brasileira. É uma vergonha se empregar R$ 3,6 bilhões de dinheiro público em campanhas eleitorais”.

Conforme o vereador Danilo da Saúde (PSB), aqueles candidatos com poucos votos, que geralmente eram beneficiados por outros, ficam sem força para se eleger. “Dificulta para as minorias, mas faz justiça a quem obteve mais votos e muitas vezes fica de fora”.

Segundo Danilo da Saúde, outros pontos importantes precisam ser contemplados no texto final da Reforma Política, como é o caso da fidelidade partidária e da suplência. “Num primeiro momento classifico as mudanças como positivas”.