Cidade ganhará biblioteca modelo

Amplas e modernas instalações garantem melhor acesso e oferta de serviços

A Biblioteca Municipal de Marília está de mudança para um prédio novo, moderno e maior do que o atual espaço.  O prédio, onde estava instalada até o ano passado as Lojas Milani (São Luiz, 1295) possui 850m² de espaço livre para trabalhar o conceito de biblioteca viva com várias ações e programas culturais de qualidade, oferecendo melhores acomodações para diversos públicos e idades.

A mudança leva a Biblioteca Municipal a um prédio totalmente acessível, com elevador braile e banheiros adaptados, buscando oferecer espaços fixos para contação de histórias, cursos, oficinas, jogos, RPG, palestras e convivência.

“A nova biblioteca mantém os setores infantis, juvenis, braile e terceira idade, tornando-se um lugar mais adequado à leitura, climatizado, confortável e disponível com diversos serviços; é assim que nossa nova biblioteca vai ficar”, explica Rosane Fagotti, coordenadora da Biblioteca Municipal.

Segundo ela, atualmente as bibliotecas mudaram seu perfil e conceito, “biblioteca não é mais um depósito de livros velhos, desatualizados que efetua apenas empréstimos e atende a pesquisas. É também um lugar de convivência, trocas e aprendizado mútuo”, completa Rosane.

Com a proposta de implementar novos programas, o local possui um espaço amplo para a oferta de atividades e também facilita a captação de verbas nas instituições estaduais e federais, devido à acessibilidade e outras necessidades que as agências de fomento solicitam.

Segundo André Gomes, secretário municipal da Cultura, a Biblioteca estava abandonada e esquecida pelos governos anteriores. As paredes com infiltrações, os mobiliários danificados e há 11 anos o município não adquiria um único livro novo para incentivo à leitura. A mudança envolve questões administrativas e técnicas, o prédio da Sampaio Vidal também não possui estrutura para ar condicionado, necessário à conservação do acervo, finaliza.

“Num país onde as estatísticas apontam que o brasileiro não lê, precisamos mudar esse cenário urgente e é isso que a nova administração quer, mudar o quadro é urgente e oferecer condições dignas para que o cidadão mariliense tenha uma biblioteca adequada e de referência na cidade e região”, destaca Rosane Fagotti.

O setor braile é, por decreto, unido à biblioteca municipal, porém a atual administração manterá uma biblioteca ramal braile, com uma bibliotecária efetiva no prédio da Avenida Sampaio Vidal para que os usuários da Associação dos Deficientes Visuais - Adevimari (que se encontra instalada no 1º andar desse prédio, desde a última gestão municipal) seja atendida plenamente, sem nenhum prejuízo à leitura, tendo agora duas opções e ofertas de serviços especializados para esse público. “Pretendemos desenvolver o mais breve possível projetos para captar recursos e melhorar essa biblioteca especializada que é referência na região”, destaca Rosane.

“É preciso uma Biblioteca viva e pulsante que possa dialogar com os diferentes usuários, trazendo a população pra dentro dela e também indo de encontro a população. Ela deve ser parte integrante de um programa de incentivo a leitura, que vai se desdobrar em diversos projetos e ações”, ressalta André Gomes.

Acessibilidade

As novas instalações contarão com piso tátil em todo o prédio e calçadas. Com relação ao transporte, há um ponto de ônibus na rua Araraquara, a 300 metros do local - e a Prefeitura já solicitou a transferência para a esquina com a rua São Luis e também a verificação da possibilidade de criar outro ponto na rua São Carlos, em frente a entrada lateral e de acessibilidade do novo prédio da Biblioteca.

O novo espaço possui 850m² com três pisos para instalações dos setores e é totalmente climatizado com elevador e banheiros adaptados para os deficientes visuais.

Disposição

As atuais instalações estão dispostas da seguinte forma: no primeiro inferior (subsolo - entrada pela rua São Carlos 152) estará o Telecentro - projeto de informática para a terceira idade, auditório, brinquedoteca, jogos de RPG, espaço de convivência, oficinas e exposições.

No piso superior, estará o acervo de literatura nacional e internacional, escritores marilienses e livros infantis, juvenis, braile, gibiteca. Os livros ficarão expostos como numa livraria e com área para leitura de jornais e revistas, livros didáticos e paradidáticos, Programa Agenda Cidadã, sala estudo individual ou em grupo.  Banheiros feminino e masculino. No piso térreo, está a recepção, holster, balcão de empréstimo centralizado, banheiros e cabine para braile.

Novos projetos

A ideia da nova administração, através da coordenação da Biblioteca Municipal é implantar, aos poucos, diversos projetos que não vinham sendo executados por falta de profissionais, fomento e condições adequadas.

 

Além de manter os projetos já efetivos da biblioteca, novos projetos da Secretaria da Cultura serão implementados ao longo da gestão como: Soneca na biblioteca; hora do conto, cinema, jogos de raciocínios, espaço dos escritores marilienses, leitura para gestantes, vitrine de livros, literatura do vestibular, marketing olfativo, mediação de leitura, oficinas de escrita criativa entre outros projetos que a população também poderá sugerir à coordenação.