Marília ganha Orquestra Sinfônica

A Orquestra Sinfônica de Marília (OSM) fará concerto oficial no próximo dia 30, no Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello”. O primeiro concerto aconteceu em junho de 2016, durante a programação especial de reinauguração do Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello”.

A Orquestra Sinfônica de Marília (OSM) fará concerto oficial no próximo dia 30, no Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello”. O primeiro concerto aconteceu em junho de 2016, durante a programação especial de reinauguração do Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello”.

A ideia da formação da Orquestra surgiu há cinco anos, após o flautista João Paulo Mosman ter participado da fundação da Orquestra Sinfônica Jovem de Lins, sua cidade natal. Logo em seguida ele foi para São Paulo onde integrou grupos como as Sinfônicas de Heliópolis e Guarulhos, mas a inquietação de fomentar a música orquestral mantinha-se viva neste músico.

Ao lado da esposa e advogada Pollyana Mosman, iniciou uma busca por um lugar para residir e montar a orquestra. Precisava ser um destino de potencial, uma cidade com estrutura para acolher um projeto desafiador, contínuo e estável.

Começaram a analisar cidades e concluíram que Marília era a cidade que ambos sonharam. Em contato com a Prefeitura Municipal definiram que aqui seria o local ideal para iniciar o projeto, mesmo sem recursos. Com amigos como o violinista Francis David e o maestro Emiliano Patarra, regente e fundador da Orquestra do Teatro São Pedro, da Orquestra Jovem de Guarulhos e com importantes atuações na gestão e reformulação do Projeto Guri e da Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), idealizaram o projeto e a apresentação no Teatro Municipal de Marília, em junho de 2016.

Para este primeiro concerto, contaram com o apoio de músicos de várias orquestras como as do Instituto Baccarelli, a Filarmônica de São Carlos, alguns marilienses, entre outros de cidades do interior. Cada um a sua maneira, abrindo mão de cachê, encararam o desafio e juntos, os 27 músicos deram início à realização de um sonho. Com apenas dois ensaios, o maestro Emiliano Patarra conseguiu realizar um brilhante concerto. “Todos pagaram para trabalhar”, destacou Pollyana Mosman.

João Paulo e Francis David lembram que com este projeto vão na contramão da realidade das orquestras brasileiras. O que ocorre, é que muitas estão encerrando suas atividades, outras tantas passam por sérias dificuldades financeiras e estão sem apoio governamental. “Hoje não há emprego nas orquestras do Brasil, é uma realidade muito cruel e precisamos criar maneiras de amenizar este quadro”, enfatiza Francis.

A proposta da OSM é de um trabalho contínuo para acolher músicos que saem de projetos como o Guri, ou de cidades da região como Garça, Assis e Pompéia. Trabalhar estes músicos e trazê-los para dentro da orquestra.  

Há dois anos João Paulo, Francis David e Pollyana incursionaram no projeto para buscar incentivos, conseguiram aprovação na Lei Rouanet e agora estão trabalhando na captação de recursos.

Associação irá gerir a OSM

Não basta o projeto da Orquestra Sinfônica, o corpo precisa ser gerido por uma entidade. Assim surgiu a Associação Amigos da Orquestra Sinfônica de Marília, que será oficializada no próximo dia 27.

Inicialmente os músicos idealizadores já haviam buscado a parceria da psicóloga e integrante do Grupo Amoclássicos, Gisele Demarchi. Após várias conversas conseguiram a adesão da mesma que hoje responde pela presidência da AAOSIM, ao lado de Pollyana Mosman, vice-presidente.

O projeto global envolve não apenas as apresentações da OSM, mas formação de músicos em nível profissionalizante, gerando a oportunidade de inserção destes músicos no corpo estável da Orquestra e a possibilidade de estudo de qualidade aos mesmos em Marília, já que muitos não conseguiriam buscar um estudo fora da cidade. “Não podemos continuar perdendo talentos. É hora de resgatar. Com a OSM instituída, os professores serão os próprios músicos convidados”, afirmam os idealizadores.

Gisele Demarchi destaca que a apresentação de junho de 2016 foi um despertar para a importância e seriedade do projeto. Todo o estatuto e os regulamentos da AAOSIM foram elaborados em acordo com as leis culturais e a Constituição Federal. Buscaram em parceiros todo apoio jurídico necessário para se criar estes importantes documentos. Esta tarefa ficou a cargo dos escritórios Gomes Altimari Advogados e Alves Mosman Advocacia. Outro parceiro fundamental neste processo é o escritório Orgafisco que cuidará da contabilidade da associação.

A Associação conta com Conselhos Administrativo, Fiscal, Executivo e Consultivo. Ao todo, mais de 30 pessoas estão envolvidas, lutando pela consolidação deste projeto. Apenas os membros do Conselho Executivo terão remuneração, os demais exercerão suas funções de forma voluntária.

Após a oficialização da AAOSIM no próximo dia 27, já está agendada a primeira apresentação também oficial da Orquestra, no dia 30 de abril, às 19h30, no Teatro Municipal de Marília, com a participação de 50 músicos de Marília, Garça, Bauru, Lins, Ribeirão Preto, Santa Cruz do Rio Pardo, Tatuí, Presidente Prudente, São Paulo, Santo André e Mogi das Cruzes e a participação especial da soprano Tati Helene.

Para esta apresentação, a Associação conta com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura que, além de recursos financeiros, cedeu o Teatro e deve contribuir ainda com transporte e hospedagem dos músicos.

“Nosso compromisso é de buscar ajuda na sociedade para realizar o projeto da OSM”, frisou a presidente Gisele Demarchi. As contribuições podem vir através das leis de incentivo fiscal, de pessoas físicas (doações voluntárias) e jurídicas.

A partir da oficialização da associação, a diretoria começa a levar o projeto para empresas, a fim de captar recursos para sustentar todas as suas ações. A OSM deverá contar com um corpo de 65 músicos em sua totalidade e, além dos concertos oficiais, tem como objetivo fazer concertos didáticos para crianças, realizar concertos em diversos bairros da cidade e trabalhar no processo de formação profissionalizante de músicos.

“Queremos trabalhar com a captação de recursos em grandes empresas, mas sabemos que o retorno não será imediato. É uma conquista em longo prazo. Penso que tudo vai se consolidando aos poucos, ganhando forma e credibilidade. Para isso, teremos também um Portal de Transparência na internet para que a população acesse e acompanhe o que a AAOSIM estará fazendo”, enfatizou a presidente.

A OSM também poderá atuar com projetos modulares, alternativos, já que não possui todo o recurso de que necessita.  “Para ter acesso à proposta, o projeto precisa acontecer, e está acontecendo”, concluiu Gisele.

 

Para o concerto do próximo dia 30 a entrada é franca. Os convites devem ser retirados na bilheteria do Teatro a partir das 18h. Mais informações: tels. (14) 99714-4697, com Gisele Demarchi / (14) 99714-2342, com João Paulo Mosman. E-mail: sinfonicademarilia@gmail.com