Marília transfere o 3º paciente para internação fora da cidade

Idoso de 92 anos só conseguiu a vaga de UTI no dia seguinte à entrada no PA Sul, após ter sido intubado

Foto: Ilustrativa

Marília transfere o terceiro paciente de Covid para internação fora da cidade. O idoso de 92 anos deu entrada no Pronto Atendimento da zona Sul na terça-feira (12), às 16 horas, mas só no dia seguinte conseguiu a internação, na Santa Casa de Adamantina. Isso porque Marília não tem mais nenhum leito de UTI SUS disponível.

Durante as mais de 26 horas em que esperou uma vaga de internação, o paciente permaneceu no PA (Pronto Atendimento) com tosse, falta de ar e queda da saturação.

O serviço tratou o paciente com oxigênio, medicações e inseriu o caso no sistema da Cross (Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde). Às 18h de quarta-feira (13) o quadro do idoso se agravou, sendo necessária a intubação.

Somente depois disso é que o paciente de Covid-19 foi transferido para um leito da Santa Casa de Adamantina, às 18h30 de quarta-feira. O transporte foi feito pela empresa Onlife, conveniada à Prefeitura de Marília.

O idoso já chegou ao PA Sul com uma tomografia de tórax apresentando comprometimento pulmonar por Covid-19 e teste positivo confirmando a doença. Ele é portador de patologia pulmonar crônica.

 

Tempo de transferência aumentou

O tempo de transferência aumentou, o que indica a escassez de vagas também na região. O primeiro paciente foi transferido pouco mais de seis horas depois da entrada no PA, para Paraguaçu Paulista. Já o segundo e o terceiro pacientes esperaram mais de 24 horas pela transferência, respectivamente para Tupã e Adamantina.

Família de paciente aponta demora na transferência

A família da segunda paciente a ser transferida ficou indignada com a nota emitida pela Secretaria Municipal de Saúde, que inverte os horários de entrada da paciente ao PA e de transferência ao hospital, parecendo que o tempo de espera.

“Nós chegamos ao PA às 17h do dia 11 e minha esposa foi transferia às 20h do dia 12. A nota emitida pela Prefeitura diz que chegamos ao Pronto Atendimento no dia 11, às 20h, e a transferência aconteceu no dia 12, às 17h, o que não é verdade”, disse o marido da paciente, Adriano Olivatto.

 

Olivatto também criticou a demora para a inclusão da paciente no sistema da Cross, o que só aconteceu às 23 horas do dia 11, seis horas depois da paciente dar entrada no PA.