O Locutor e Os Artistas

Crônica dedicada ao saudoso Fábio Silvério

Durante muitos anos, as manhãs da cidade de Marília e região ouviram, através das poderosas ondas da Radio Itaipu, a alegria contagiante do locutor Fábio Silvério, o nosso querido Fabinho!

Estou escrevendo esta crônica, primeiro, por admirar seu profissionalismo e sua dedicação à arte de falar. Porém o que mais me encantou foi sua atenção com os artistas. Para Fabinho, não importavam o poder aquisitivo ou o nível de influência do entrevistado. Dava atenção a todos. Tive o prazer de ser entrevistado algumas vezes em seus programas. Percebi o carinho que nutria pelos seus ouvintes; a retribuição era notória do outro lado da linha.

Certo dia, levei meu primeiro trabalho (em parceria com o músico Flávio Marcondes e o cantor Alex Vernasques) para o Fabinho. Ele explicou os critérios para tocar músicas autorais nas rádios e, no mesmo momento, me levou até a sala da diretoria, na qual tive a honra de conhecer Dona Candelária. Entre um café e muitas gentilezas, andei pelos corredores e departamentos da tão conceituada emissora. Saí de lá feliz da vida com tamanha abertura e atenção dispensadas.

Após a visita, vivi um sonho: ouvir minha música tocando na rádio. Confesso que aquele ato me incentivou a continuar compondo e fazendo parceria com artistas; a partir daí, a música, a poesia e as crônicas passaram a fazer parte das narrativas dos meus livros.

Uma vez, Fábio me concedeu uma revelação surpreendente: “caro Milani, você tem um admirador dos seus trabalhos poéticos aqui na Rádio!”. No mesmo dia, relatou seu carinho a Moacir Pitta, muito querido em nossa Marília. Após esse fato, não demorou para minhas poesias abrirem, por longos anos, o Programa Cocorico, brilhantemente conduzido por Moacir Pitta, e integraram o programa Ao mestre com carinho, da querida e graciosa Lucinha Lins.

Quero, nesta crônica, registrar a importância de pessoas voltadas ao servir, como Fábio Silvério, que vai deixar um vazio muito grande nas emissoras do interior. Além de sua paixão pelo rádio, soube, como ninguém, abrir portas para muitos artistas. Fabinho também sabia partilhar o que era bom com seus superiores e encantar a todos com sua bela voz. Fabinho, construiu, com méritos, uma legião de seguidores pelas poderosas ondas do rádio. Saudades!

(Mário Milani)