editorial

ICMS x vacina

 

Já era esperada a revolta em vários setores da sociedade, principalmente de servidores estaduais aposentados, que estão sendo usurpados escandalosamente pelo governador João Agripino da Costa Doria Jr. O movimento de protesto chamado de tratoraço nesta semana foi um alerta ao governador, que armou tudo às escondidas desde o meio do ano passado quando enviou o projeto tributário para a Assembleia Legislativa, onde tem a maioria de vassalos. Por isso, conseguiu aprovar o projeto que vem sendo detonado pela sociedade paulista, principalmente com o aumento do ICMS, a retirada de benefícios em vários setores, inclusive dos deficientes físicos que voltaram a pagar IPVA.


Assustado com a organização do tratoraço João Doria mexeu às pressas no decreto sobre ICMS, fazendo algumas concessões, que na verdade não agradaram nenhum pouco os produtores rurais, comerciantes e empresários. Foi uma tentativa de esvaziar o movimento de protesto contra a exploração com impostos absurdos em plena pandemia, quando é grande o número de falências no Estado. Doria quer resolver o problema de caixa do governo metendo a mão no bolso do contribuinte.

Ele diz que o rombo nas contas públicas é grande, mas não se intimidou nenhum pouco em fazer compras superfaturadas de respiradores e equipamentos de proteção individuais da China, sendo inclusive questionado pelo Ministério Público. Preço muito maior do que os praticados no Brasil!


O governador quer a todo custo desviar a atenção para a questão do assalto aos contribuintes e aposentados, com insistente anúncios e divulgação da vacina chinesa CoronaVac, que vem sendo produzida em parceria com o Instituto Butatan. Doria quer ser o herói da vacinação contra a Covid-19, em enfrentamento absurdo ao governo federal, porque depois de ter se aproveitado da campanha “BolsoDoria” em 2018 para se eleger governador rompeu com o presidente Jair Bolsonaro e vive trocando farpas e pressionando a Anvisa para aprovar a vacina chinesa, que até agora não tem comprovação de eficácia e os números que Doria e o secretário da Saúde, Jean Carlo Gorinchteyn, têm divulgado geram desconfiança.


A vacinação vai acontecer, tão logo sejam aprovadas vacinas comprovadamente eficazes, seja da Moderna, Pfizer, AstraZeneca ou Sinovac (que produz a CoronaVac). Quem sabe todas sejam aprovadas e haja mais opções e quantidade para a população brasileira. O que não pode é Doria Jr bancar o rei da cocada preta, querendo ser o herói da vacinação fazendo campanha eleitoral de olho na presidência da República. Só que o “riquinho” governador paulista está completamente desmoralizado por causa do ICMS abusivo, por ter prejudicado absurdamente aposentados e PCDs, batendo recorde de críticas nas redes sociais. Não bastasse isso, Resolução publicada no Diário Oficial de quarta-feira (6) cortou recursos de 12% dos Programas Pró-Santas Casas e Santas Casas SUStentáveis, destinados ao custeio das Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado, prejudicando o atendimento à população. Esses hospitais, que são responsáveis por mais de 50% do atendimento do SUS. Está enterrando a carreira política!