Série apocalíptica The Stand, de Stephen King, estreia no Brasil em tempos de pandemia

The Stand, nova adaptação do livro A Dança da Morte, de Stephen King, acompanha o que acontece com a sociedade, após o surgimento de um vírus mortal, que deixa poucos sobreviventes

Adaptações de Stephen King já se tornaram objeto de consumo popular no cinema e na TV. O projeto da vez é The Stand, nova adaptação do livro A Dança da Morte. Para a alegria dos fãs de tal ícone da literatura, a série estreiou no último dia 3 no Brasil, começando a ser exibida, semanalmente, no catálogo do Starzplay.

A trama acompanha o que acontece com a sociedade, após o surgimento de um vírus mortal, que deixa poucos sobreviventes. Logo, o espectador repara que existem dois caminhos a serem seguidos pelo restante da humanidade: viver no grupo pacífico de Mãe Abigail (Whoopi Goldberg), uma senhora de 108 anos; ou seguir os passos do brutal Randall Flagg (Alexander Skarsgård), dono de poderes inexplicáveis, também chamado de "Homem de Preto".

Os dois primeiros episódios apresentam uma série de personagens ao público, trabalhando com diferentes linhas do tempo - assim vemos um pouco de suas vidas antes do apocalipse, o que aconteceu assim que o vírus atingiu a sociedade, e o que surge a partir dos recrutamentos de Mãe Abigail e Homem de Preto, meses depois das mortes de bilhões de pessoas.

Logo de cara, dois aspectos da série dirigida por Josh Boone (A Culpa é das Estrelas) chamam a atenção. O primeiro, e mais perturbador, surge ao ver como a história se torna mais relevante, ganhando um novo significado diante da realidade que vivemos, em tempos de pandemia do Coronavírus. É um retrato sobre o que é ser humano, sobre empatia e sobre redenção. As cenas que mostram os doentes são viscerais e causam o impacto planejado, dando ainda mais peso para a trama em questão.

Também merece destaque o talentoso elenco, recheado de nomes conhecidos. Além de Whoopi Goldberg e Alexander Skarsgård, a série conta com atuações de James Marsden (Westworld), Amber Heard (Aquaman), Odessa Young (Assassination Nation), Owen Teague (Black Mirror), Greg Kinnear (Melhor É Impossível),  Jovan Adepo (Watchmen), o brasileiro Henry Zaga (Os Novos Mutantes) e Katherine McNamara (Arrow), sem contar as participações de Ezra Miller e J.K. SImmons.

Uma boa dica pra quem tem estômago para aguentar uma versão piorada da (já difícil) situação atual.