Mercedes-Benz fecha fábrica de Iracemápolis

A Mercedes-Benz decidiu encerrar a produção de automóveis premium na fábrica de Iracemápolis, no interior de São Paulo.

A Mercedes-Benz decidiu encerrar a produção de automóveis premium na fábrica de Iracemápolis, no interior de São Paulo.

“A decisão está sendo tomada com base em vários fatores, incluindo a atual situação do mercado brasileiro”, afirmou a empresa.

A montadora diz que procura ainda uma solução para a fábrica e  seus 370 trabalhadores, “incluindo a possibilidade de  programa de demissão voluntária”. 

Os automóveis que eram produzidos na unidade, os modelos GLA e Classe C, serão transferidos para outras fábrica montadora e, assegura a empresa, seguirão oferecidos aos consumidores brasileiros por meio da rede de 50 concessionárias.

De janeiro a novembro, a marca alemã vendeu 6,1 mil automóveis de passeio no mercado brasileiro, sendo perto de 1,5 mil Classe C e 1,2 mil GLA.

 Ficou atrás da BMW, Audi e Volvo, suas principais concorrentes entre as marcas premium.

“A situação econômica no Brasil tem sido difícil por muitos anos e se agravou devido à pandemia da Covid-19, causando uma queda significativa nas vendas de automóveis premium.

 Por isso, decidimos encerrar a produção de automóveis premium no Brasil. Nosso primeiro objetivo agora é encontrar uma solução sustentável para os colaboradores dessa unidade”, declarou Jörg Burzer, embro do Board da Mercedes-Benz AG, Produção e Cadeia de Suprimentos.

Iracemápolis foi inaugurada em março de 2016, com a perspectiva de gerar 750 postos de trabalho ainda no primeiro ano. O investimento inicial declarado foi da ordem de R$ 600 milhões para a produção do utilitário esportivo GLA.

A curtíssima trajetória da planta replica o fracasso da unidade de Juiz de Fora, MG, onde, durante os anos 90, foi fabricado o compacto Classe A, primeiro automóvel nacional da marca e que, com vendas restritas, deu lugar à produção de caminhões na unidade.

A Mercedes-Benz é a segunda montadora de carros de luxo a encerrar a produção no Brasil este ano. Em setembro, a Audi confirmou que deixaria de fabricar o A3 em São José dos Pinhais, PR, medida que já vinha sinalizando há quase dois anos. A alegação: custos de produção elevados.