Pasta avisa que a redução de leitos excedentes de Covid é reversível

Cássio Luiz: “As vagas de Enfermaria exclusivas para a pandemia nunca atingiram 50% de ocupação”

Fotos: Divulgação

Diante do direcionamento de leitos clínicos de Covid para outras necessidades de internação, a Secretaria Municipal da Saúde emitiu uma nota oficial. A pasta destaca que a decisão dos hospitais foi conjunta e pautada em um estudo prévio de demanda. E que o quantitativo inicial de vagas será retomado se houver mudança no cenário epidemiológico de Coronavírus em Marília e região.

Conforme informou a secretaria, nos dias 4 e 11 de novembro foram realizadas reuniões de regulação de leitos Covid na presença da gestão municipal (Secretaria Municipal de Saúde) e estadual (Departamento Regional de Saúde - DRS IX).

Também participaram representantes do PA Sul (Pronto Atendimento), da UPA (Unidade de Pronto Atendimento da Região Norte), do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e dos três hospitais envolvidos no enfrentamento da pandemia (Hospital das Clínicas, Santa Casa e Hospital Universitário da Unimar).

Os envolvidos apresentaram os dados referentes à taxa de internação em leitos de UTI (Terapia Intensiva) e de Enfermaria (clínicos) no período de março a outubro deste ano.

“A análise conjunta permitiu verificar que os leitos clínicos exclusivos de Covid tiveram baixa taxa de ocupação neste intervalo de tempo. Em nenhum momento atingiram 50% de ocupação”, frisou o gestor municipal de Saúde, Cássio Luiz Pinto Junior.

Desta forma, por unanimidade, os hospitais solicitaram aos seus gestores o descontingenciamento dos leitos clínicos de Covid. Desde segunda-feira (16) estão sendo ofertados 70, e não mais 119, leitos de Enfermaria para pacientes confirmados ou suspeitos de Coronavírus.

Para o Sistema Único de Saúde (SUS) são 50 desses 70 leitos clínicos, sendo 20 pelo Hospital das Clínicas, 20 pelo Hospital Universitário da Unimar e dez pela Santa Casa. Os leitos de UTI Covid permanecem sendo 70, na soma dos três hospitais.

“O estudo apresentado demonstrou que a redução não impactará na oferta e na qualidade dos atendimentos hospitalares prestados à população. Mesmo assim, caso haja alguma mudança no cenário epidemiológico do município e da região, com aumento de internações, os prestadores se comprometeram a retomar o quantitativo de leitos iniciais”, mencionou o secretário.