Semana termina com seis casos de dengue

Mosquito da dengue, Aedes aegypti, se reproduz em água parada em ciclo, de ovo a inseto, que dura, em média, uma semana

Foto: Divulgação

Semana termina com seis casos de dengue. Os resultados positivos de exame se somam ao total do ano: 1.539. No momento, há 63 pessoas aguardando a conclusão da análise laboratorial. Mesmo sem o levantamento do índice larvário, ação suspensa por conta da pandemia, Município informa que mantém as ações de controle da doença.

O balanço de dengue em Marília é semanal e contabiliza 1.539 casos confirmados; 2.664 suspeitas investigadas e descartadas e 63 casos suspeitos em análise.

O LIRAa (Levantamento Rápido de Índice Larvário para Aedes aegypti) é uma das ações suspensas em decorrência da pandemia por conta da necessidade de visitação casa a casa.

Esse levantamento é considerado uma ferramenta importante no combate à dengue, principalmente quando chegam as estações quentes do ano, porque permite descobrir como está a situação do município (um quadro fidedigno porque a ação é feita na mesma semana).

E também identifica quais os bairros mais críticos e quais os focos do mosquito predominantes nas áreas. Sem o LIRAa, não há o mapeamento do risco, mas o Município mantém as ações de controle de criadouros (permanente) e nebulização de inseticida (nos bairros onde há casos confirmados).

Só que a maior parte dos criadouros do mosquito que transmite a dengue se forma nos espaços privados, dentro dos imóveis e em seus quintais. Daí a importância do envolvimento da população, que deve fazer a verificação pelo menos uma vez por semana, eliminando água parada ou aplicando produtos de limpeza nos locais onde não seja possível retirar a água.

Também se deve vedar locais onde a água precisa estar armazenada (caixas d’água, por exemplo) e deixar que a água flua (desentupindo calhas e ralos, por exemplo).