Dia do Professor: categoria se fortalece com os desafios da pandemia

Interrupção das aulas em razão da Covid-19 exigiu novo modelo de educação e relacionamento entre alunos e professores

Por Izabel Dias

 Hoje (15) é comemorado o Dia do Professor, categoria que como outros profissionais vem enfrentando diversos desafios após a pandemia da Covid-19. A interrupção das aulas presenciais nas escolas exigiu dos professores completa mudança no planejamento de trabalho e um novo olhar para o relacionamento com os alunos.

O professor Clayton Carvalho (prof.Scooby), coordenador do ensino médio Colégio Interação, afirma que este foi um ano atípico para todos em razão da pandemia e  exigiu mudanças no comportamento de todos os profissionais e também das famílias. “Tanto os professores como as famílias tiveram que se reinventar. Os professores em geral, desde o maternal, a rede pública, a particular, saem fortalecidos dessa pandemia e vistos de forma positiva pela dedicação com que enfrentaram as dificuldades para oferecer as aulas aos alunos”, disse.

Clayton Carvalho destaca a habilidade do professor em se reinventar e se adaptar às mudanças. “É notório que o professor não é uma profissão de grande remuneração. Em geral não tem reconhecimento financeiro como outras profissões. Quem é professor faz por dom. É um profissional de muita credibilidade mas que não tem o valor devido na remuneração. E neste ano com a pandemia, se não fosse a capacidade do professor de se reinventar não teria dado certo”.

A tecnologia ganhou protagonismo no ensino e movimentou também as famílias no envolvimento do aprendizado dos alunos tanto da rede pública como da rede privada. “Mesmo em casa, como pais, tivemos que sair da zona de conforto e também participar mais, nos envolver mais”, disse.

Segundo o professor Clayton Carvalho, mesmo na rede particular que já utilizava a tecnologia nas aulas, muitos professores tiveram que aprender a virar ‘youtuber’, aprender a utilizar os recursos tecnológicos e usar aplicativos para montar as aulas. “Muitos investiram em recursos próprios, se desdobraram e  isso tomou grandes proporções. A imagem do professor sai muito mais fortalecida.

Carvalho explica que o professor antes era visto como fonte de conhecimento. Hoje o aluno pode buscar o conteúdo na Internet e o professor passou então a ser também um facilitador, um mediador que vai mostrar o caminho e ser realmente um influenciador.

Para ele, a pandemia trouxe uma revolução na área da educação. “Se por um lado nada substitui o professor, por outro lado há ferramentas que vieram para ficar, como videoaulas, lives que complementam conteúdos e também os grupos de professores e alunos no whatsapp para orientar dúvidas e encaminhar atividades”. disse.

Clayton Carvalho afirma que mesmo com tantos desafios, ser professor é gratificante.  “Sou de uma família de professores, tenho também muitos amigos professores e tenho orgulho da profissão. Tudo vale a pena quando encontramos um ex-aluno na rua que nos reconhece, diz que gostava da aula, e vemos que se tornou um profissional, um bom cidadão e que pudemos contribuir com um ‘tijolinho’; é nossa grande recompensa”, disse.

“TODOS SE ESFORÇARAM”

 A diretora da Escola Estadual Professor Amílcare Mattei, professora Ana Dolores Zucolin, disse que hoje é um dia de gratidão aos professores por tudo que realizaram este ano diante de uma situação tão diferente provocada pela pandemia.

“É dia de reconhecer o grande trabalho desenvolvido por eles na escola pública. De repente nós ficamos distantes dos nossos alunos, não esperávamos que fosse demorar tanto, mas de uma forma inusitada todos se esforçaram para aprender rapidamente novas tecnologias, fazer uma adaptação a aquilo que os pais e os alunos conseguiam acesso e podiam se comunicar com a escola, com seus professores”, disse.

A diretora afirma que a pandemia trouxe uma forma de viver diferente, onde cada família precisou se organizar, se adaptar e encontrar novos caminhos. “Para os professores também foi difícil porque eles tiveram que organizar os recursos tecnológicos que muitas vezes não tinham em casa. O Amílcare já tinha uma experiência de ensino hibrido onde a tecnologia já era bastante utilizada dentro da escola e os professores usaram Google forms e diversas outras ferramentas. E para os alunos que não tinham recursos imprimimos o material, e o governo criou o Centro de Mídia, avaliações impressas, cadernos de alunos entregues na escola para resolverem em casa”.

Ana Zucolin destaca o esforço dos professores da rede pública neste ano de pandemia. “Temos muito a agradecer todo empenho desses profissionais que fazem a diferença no ensino público porque não mediram esforços para poder chegar a seus alunos. Apesar de fisicamente distantes nós estamos muito mais unidos através dessa tecnologia”, disse.