Vereadores votam pela continuidade de Comissão Processante

Os vereadores votaram pela continuidade da CP (Comissão Processante) instaurada para apurar possível quebra de decoro da vereadora Professora Daniela (PL), na sessão ordinária de ontem (13) da Câmara Municipal. O relatório do edil Mário Coraíni Júnior (PTB) que recomendava o arquivamento da comissão foi rejeitado em plenário.

A CP teve início após representação aprovação pelo plenário da representação protocolada pelo advogado Marcos Rogério Manteiga.

Em caso ocorrido no último mês de agosto, durante uma abordagem de trânsito, a vereadora teria procurado o comando da PM (Polícia Militar) para reclamar da apreensão de veículo  dirigido pela filha dela.

O sargento Allan solicitou o guincho do carro de propriedade da vereadora Professora Daniela porque estava com documentos vencidos e pneus carecas. A vereadora então telefonou para a comandante do 9º Batalhão da PM em Marília, tenente coronel Márcia Cristina Cristal.

A comandante ligou para o sargento ameaçando afastá-lo caso ele recolhesse o carro da vereadora. A ligação foi gravada e divulgada nas redes sociais e veículos de comunicação, o que gerou indignação e manifestações de solidariedade ao sargento.

Após algumas reuniões entre os membros da CP, o relator Mário Coraíni Júnior emitiu relatório pelo arquivamento das investigações, entendendo que não houve quebra de decoro por parte da vereadora Professora Daniela e que as questões internas caberiam serem apuradas pela própria Polícia Militar.

Com a rejeição do relatório de Coraíni no Legislativo, as reuniões da Comissão Processante devem ser retomadas nos próximos dias. O presidente da comissão é o vereador José Carlos Albuquerque (PSDB) e o terceiro membro João do Bar (PP).

Projetos

Com o pedido de vistas da discussão  única  para o  veto  parcial  aposto  pelo  Executivo, no Projeto de Lei Complementar nº 8/2020, da Prefeitura Municipal, dispondo sobre  a  construção,   manutenção   e conservação  das  calçadas  no  município, a pauta foi trancada.

Antes, o líder do prefeito Daniel Alonso (PSDB) na Casa de Leis, José Carlos Albuquerque (PSDB), já havia solicitado a retirada do Projeto de Lei nº 89/2018, também do Executivo,  autorizando a  Prefeitura  a  receber  em  doação  as áreas   de   terras   que   especifica,   propriedade   de   Oswaldo Passos  de  Andrade  Filho  e  de  Olga  Maria  Sampaio  Vidal  de Andrade,   como   antecipação   de   área   dominial   de   futuro empreendimento a ser executado na área remanescente dos proprietários,  destinadas  à  abertura  de  prolongamento  da Avenida  Cascata.  A matéria autorizaria  o Daem (Departamento de Água e Esgoto de Marília)  a  desafetar  e  doar  à Prefeitura  a  Área  “E”  destacada, pedindo  1.880,06m², destinada à abertura de prolongamento da avenida Cascata.