Preços das carnes bovina e suína têm alta no mês de setembro

Levantamento da Fipe mostra que a carne bovina subiu 4,93% em setembro e acumula alta de 32% nos últimos doze meses

Por Izabel Dias 

Os preços dos alimentos continuam contribuindo para aumento da inflação na mesa do brasileiro. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) do mês de setembro, mostra que houve reajuste nos preços das proteínas como carne bovina, carne suína, aves e peixes.

O levantamento da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) mostra que a carne bovina subiu 4,93% em setembro e acumula alta de 32% nos últimos doze meses. A carne suína subiu 8,23% no mês com alta de 37% nos últimos doze meses. As aves subiram 1,27% em setembro e 15,63% em doze meses e os peixes 11,94% em setembro.

A alta no preço da carne começou no final do ano passado e vem crescendo, em razão da alta do dólar este ano e o aumento das exportações.  Com o aumento do preços da carne de primeira e em decorrência da pandemia da Covid-19, aumentou a demanda  pela carne bovina de segunda e pelas aves, contribuindo para aumento dos preços.

O consumidor, que já enfrenta aumento excessivo nos preços do arroz e do feijão nos últimos meses, reclama também da inflação nas proteínas. “Tá difícil ir no supermercado e deixar um dinheirão pra comprar arroz, feijão e carne. Subiu muito e mesmo a gente tentando pesquisar e substituir fica difícil,” disse a dona de casa Joelma Maria Souza Oliveira.

A autônoma Ana Cristina Vasques Santos, disse que passou a consumir mais frango em razão do aumento do preço da carne. “A gente já tem orçamento curto e agora com a pandemia tivemos muita dificuldade para trabalhar. Temos que fazer malabarismo no supermercado e no açougue pra conseguir se alimentar. O preço do arroz e do feijão está absurdo e a carne também. Acabo comprando carne mais nos finais de semana mesmo”, disse.