Marília firma novo contrato de combate à dengue

Empresa contratada é de Rio das Pedras-SP e vai dar suporte à nebulização de inseticida

 

Foto: Divulgação

O Município firmou contrato com uma nova empresa de nebulização de inseticida. O objetivo é o controle de vetores para o combate à dengue. Os casos estão reduzidos pela falta de chuvas e baixa circulação viral. No entanto, a Secretaria da Saúde afirma que o clima quente aponta para o risco com a chegada do período chuvoso.

Até 10 de setembro Marília contabilizou 1.489 casos positivos de dengue neste ano, que teve epidemia da doença. Sendo que houve redução gradativa de novos registros de contaminação nas últimas seis semanas.

“As ações têm sido realizadas de forma contínua, mesmo neste momento em que os casos estão reduzidos. O município de Marília tem a dengue de forma endêmica desde 2010, ou seja, a transmissão pode ocorrer durante o ano todo, com intensificação e epidemias nos períodos mais quentes”, mencionou a Secretaria Municipal da Saúde.

No momento, a pasta informou que estão sendo realizadas ações preventivas, como as visitas para identificação de focos e orientação aos moradores, observadas todas as recomendações de segurança impostas pela transmissão da Covid-19.

“Um trabalho especial também começa a ser realizado nas escolas das redes públicas estadual e municipal, com aplicação de larvicida biológico nos ralos”, mencionou a secretaria.

O contrato com a Sime Prag do Brasil Ltda, no valor de R$ 1,215 milhão, foi publicado na edição de ontem (16) do Diário Oficial do Município e visa o suporte ao trabalho do poder público, com a execução de serviços de nebulização de inseticidas, adulticidas e larvicidas.

O foco está nas ações de controle de criadouros e combate a vetores, especialmente o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue. No entanto, o contrato prevê ainda o combate ao Lutzomia longipalpis, conhecido como mosquito Palha, que transmite a leishmaniose.

A empresa também poderá contribuir com a remoção de criadouros e recipientes inservíveis nos imóveis e espaços públicos municipais e com todas as ações previstas no Programa Nacional de Controle das Arboviroses (dengue, Zika vírus, febre chikungunya e febre amarela).

A Saúde destacou que o Município está preparado para fazer frente a novas ondas de transmissão, mas precisa e espera a participação maciça da população. Cada um fazendo a sua parte, cuidando do seu espaço, com vistorias periódicas nos imóveis, quintais e áreas abertas para não deixar água parada.