Médico de Marília faz apelo para os cuidados preventivos da Covid

Mário Luiz Furlanetto: “A pandemia termina quando a vacina é encontrada, não antes”

Foto: Divulgação

O médico cirurgião vascular de Marília, Mário Luiz Furlanetto, fez um alerta nas redes sociais para a gravidade da Covid-19 e a necessidade de seguir as recomendações para o enfrentamento da pandemia. “A doença não é um resfriado comum para 80% das pessoas e a ventilação invasiva é a intubação, sob anestesia geral, por pelo menos duas semanas sem se mover”.

Furlanetto visou chamar a atenção da população para o fato de que a pandemia termina quando a vacina é encontrada, não antes. “Gostaria de ser menos trágico, no entanto o enfrentamento da Covid-19 requer disciplina, que está em falta”.

Com base em informações de colegas médicos intensivistas, o cirurgião vascular frisou que a ventilação invasiva para o Covid-19 é a intubação que sob anestesia geral, que consiste em pelo menos 2 a 3 semanas sem se mover, geralmente de bruços (posição prona), com um tubo na boca até a traqueia.

“O paciente não pode falar, comer ou fazer qualquer coisa naturalmente porque o desconforto e a dor que sente exigem a administração de sedativos e analgésicos para garantir a tolerância ao tubo. Ficando em coma artificial durante o tempo em que precisar que a máquina respire”.

O médico mencionou ainda que, em 20 dias com este tratamento, um paciente jovem tem uma perda de massa muscular de 40% e a reeducação subsequente será de seis a 12 meses, associada a trauma grave na boca ou nas cordas vocais.

“É por esse motivo que os idosos ou pessoas frágeis em sua saúde não perduram. Temos que levar a pandemia a sério, mesmo com todos os serviços liberados novamente”.