Apesar de petição com mais de 3 mil assinaturas, direção mantém decisão de fechar Colégio PM

Pais, professores e alunos se mobilizaram contra o fechamento da escola mas não obtiveram resposta positiva

A direção do Colégio Cruz Azul (Colégio PM) de São Paulo, divulgou nota ontem informando que mantém o fechamento da unidade do colégio em Marília. O anúncio do encerramento das atividades gerou mobilização na cidade e uma petição online que teve mais de 3 mil assinatura, pedindo a manutenção do colégio.

“A Cruz Azul de São Paulo, esclarece que continua mantida a decisão de suspender as atividades escolares do Colégio PM – Unidade Marília, tendo em vista que não há fatos novos”, informa a nota.

O anúncio do fechamento do colégio em Marília mobilizou pais, professores policiais militares, representantes de entidades de militares e ganhou apoio de deputados. O abaixo assinado online contra o fechamento da escola recebeu 3.134 assinaturas.

Nas redes sociais, pais e professores se manifestaram contra o encerramento das atividades do colégio. Um vídeo mostra as atividades desenvolvidas na escola e os alunos mostram cartazes com os dizeres :”salvem nossa escola”.

O Colégio Cruz Azul informa que as atividades na unidade de Marília serão suspensas em razão do prédio não estar em condições adequadas para funcionar. A instituição se baseou em Relatório Técnico de Habitabilidade e Inflamabilidade (RTHI), realizado em julho de 2020, por empresa auditora externa contratada, que concluiu que o prédio não se encontra adequado para habitabilidade escolar, em virtude de falta de acessibilidade a deficientes, questões estruturais, e de prevenção contra incêndio. As atividades na escola serão mantidas até 31 de dezembro de 2020.

O Colégio Cruz Azul é uma instituição privada mas mantém um programa de bolsas de estudos que atende grande numero de crianças e adolescentes. A unidade de Marília iniciou as atividades em 2019 atendendo alunos do ensino fundamental I ao ensino médio.

Quando foram informados do fechamento da escola, os  pais estranharam o argumento de falta de segurança do prédio, já que todo processo foi aprovado há pouco mais de um ano. Professores, pais e alunos estão inconformados com o fechamento da escola, que segundo eles oferece ensino de alta qualidade  além de bolsa de 100% para alunos de baixa renda.