Comemoração do Dia dos Pais será diferente para maioria das famílias

Restrições da pandemia fazem com que muitas famílias evitem encontros maiores para proteger idosos

Por Izabel Dias

O Dia dos Pais será comemorado hoje de forma diferente para maioria das famílias em razão das restrições impostas pela pandemia da Covid-19. Apesar de muitas cidades terem adotado medidas de flexibilização da quarentena, a orientação para evitar aglomerações continua e a preocupação com a saúde dos idosos permanece em grande parte das famílias.

Para lembrar a data, muitas famílias irão optar por almoços reservados e com o mínimo possível de pessoas. Os pais, principalmente os mais idosos, lamentam as mudanças, mas acreditam que é necessário cautela neste momento já que ainda não há vacina para o coronavírus.

O aposentado Pedro Leati de 66 anos, foi ao comércio com a filha Luana e a neta Melissa de 4 anos, para comprar alguns presentes. Todos usando máscaras e preocupados com o coronavírus. “É difícil pra gente. Tem os pais mais novos e os pais mais velhos. Nós vamos nos ver com poucas pessoas. Temos preocupação a todo momento, mas temos que nos cuidar”, disse.

O montador Marcelo Mazetti e a namorada Lucilene Mendes Lourenço lamentam que a pandemia torne mais difícil o encontro do Dia dos Pais. O pai dele teve um princípio de AVC e está se recuperando, o que aumenta ainda mais o cuidado com a saúde em tempos de pandemia. “Esse ano está bem difícil, não pode se reunir. Temos que fazer um almoço simples com pouca gente”, disse Lucilene.

Há também as famílias maiores que para proteger os pais idosos vão optar por levar pronto um almoço especial e passar rapidamente para entregar presentes. “Vou preparar um prato especial para os meus pais e vou levar com os presentes. Todo ano a gente almoça todos juntos, mas este não dá. Eles têm quase 80 anos e não queremos coloca-los em risco, nossa família é grande, todos estão trabalhando, saindo, é perigoso contaminar”, disse a atendente Carmem dos Santos Alves.

A cabeleireira Maria de Fátima Gonçalves disse que ao invés do tradicional almoço que participava na casa dos pais todos os anos, este ano ela e os irmãos irão passar na casa deles rapidamente para levar presentes. “Sei que é ruim assim, mas temos que ter cuidado. Eles têm mais de 70 anos, estão se cuidando direitinho e a gente precisa trabalhar e sair então podemos levar o vírus pra eles. Depois que passar a pandemia a gente faz um encontro todos juntos, é o jeito”.

O autônomo José Carlos Benevides Souza tem dois filhos e disse que vai passar o Dia dos Pais em casa com sua família mas vai mandar entregar um almoço especial para seus pais. “Vou escolher uma comida de restaurante e mandar entregar para os meus pais. Depois eu passo rápido pra vê-los. Esse ano não dá pra fazer encontro grande depois a gente comemora, agora não é hora”, disse.