Daniel Alves critica política do São Paulo: "Nem todos pensam no bem do clube"

Jogador: "São sempre muitos interesses pessoais"

Depois de uma semana conflituosa no São Paulo após a eliminação para o Mirassol no Campeonato Paulista, Daniel Alves concedeu uma entrevista coletiva nesta terça-feira, direto do CFA de Cotia. Dentre os assuntos abordados, o camisa 10 não poupou críticas às disputas políticas nos bastidores quentes do clube do Morumbi.

Primeiro, Daniel Alves não escondeu que acredita que existem nomes envolvidos na política do Tricolor que tomam decisões pensando apenas em interesses particulares, citando o Flamengo como exemplo de reestruturação dessa prática.

"A maior dificuldade do São Paulo e do futebol brasileiro que vejo hoje é que nem sempre o objetivo é o São Paulo. São sempre muitos interesses pessoais. Isso acaba conduzindo os clubes para um caminho que poderia ser muito melhor", afirmou Daniel Alves.

"Eu converso com muita gente aqui e tem muitos profissionais que pensam pelo bem do São Paulo, mas tem muitos outros tantos tentando entorpecer isso, porque a única forma deles entrarem. Porque senão estariam perdendo espaço, poder ativo, mas o outro estaria voando por outros caminhos e ideias, que foi o que Flamengo fez. Você acredita que o Flamengo mudou o time de um treinador para outro? Não, o Flamengo mudou o clube", completou.

Além disso, Daniel Alves reiterou a importância do elenco evitar se deixar influenciar por questões extracampo, destacando que nem todas as figuras administrativas do São Paulo querem o bem da instituição. "Sempre digo que algumas coisas não estão no nosso controle. Precisamos nos blindar aqui dentro, porque é a gente que estará sempre exposto. Os interesses particulares ou grupais existirão em todos os clubes, áreas, políticas", disse Daniel Alves.

"Na vida, tem muito mais destruidores do que construtores, então você tem que pegar na mão dos construtores e falar assim: 'Pode vir qualquer um, mas não vai destruir isso aqui'. É o que a gente está tentando fazer no São Paulo agora, está todo mundo cheio de dedos para apontar e nem todos estão pensando no bem do clube, no bem comum", finalizou.

Recuperando-se do impacto da queda no Paulistão, o Tricolor ainda terá mais quatro dias de treinamento antes de estrear pelo Campeonato Brasileiro. Os comandados de Fernando Diniz enfrentarão o Goiás, no domingo, às 16h, fora de casa.