Livros de autoajuda e finanças pessoais dominam lista de mais vendidos durante quarentena

Mercado de livros apresenta primeira alta em relação a 2019 desde início da pandemia no Brasil

Os livros de autoajuda e finanças pessoais dominaram a lista de livros mais vendidos no período da quarentena. Em relatório feito pela Nielsen Bookscan, as duas categorias foram destaque no ranking das 10 obras com maior número de vendas. Os dados são referentes ao período de 16 de março até 19 de julho de 2020.

"Do mil ao milhão sem cortar o cafezinho", do educador financeiro Thiago Nigro, criador da plataforma O Primo Rico, aparece no topo da lista, seguido de "A sutil arte de ligar o f*da-se", de Mark Manson. "A revolução dos bichos" é a única ficção a aparecer no ranking.

Os 10 livros mais vendidos durante quarentena:

"Do mil ao milhão sem cortar o cafezinho", de Thiago Nigro (HarperCollins)

"A sutil arte de ligar o f*da-se", de Mark Manson (Intrínseca)

"Mulheres que correm com os lobos", Clarissa Pinkola Estés (Rocco)

"Os segredos da mente milionária", T. Harv Eker (Sextante)

"Mais esperto que o diabo", de Napoleon Hill (CDG)

"O milagre da manhã", de Hal Elrod (Best Seller)

"O homem mais rico da Babilônia", de George S. Clason (HarperCollins)

"A revolução dos bichos", de George Orwell (Companhia das Letras)

"Mindset", de Carol S. Dweck (Objetiva)

"Pequeno manual antirracista", de Djamila Ribeiro (Companhia das Letras)