Governo do Estado mantém Marília na fase vermelha e serviços não essenciais devem fechar

Todas as atividades econômicas não essenciais devem manter as portas até o próximo dia 14 de julho.

Por NORTON EMERSON (nortonemerson@gmail.com)/Foto:Divulgação

 

 

O Governo do Estado de São Paulo divulgou, nesta sexta-feira(26) um novo balanço e uma nova classificação de fases, em relação à flexibilização da quarentena, de acordo com as métricas do Plano São Paulo.

Mas para Marília a notícia não é nada boa. Afinal, a cidade foi mantida na fase 1 (vermelha) e só poderá permitir que serviços considerados essenciais como supermercados, padarias, açougues, segurança, saúde, Indústrias, construção civil e oficinas continuem a funcionar normalmente. Todas as demais atividades econômicas devem fechar as portas, pelo menos, até o próximo dia 14 de julho.

Para classificar as 17 regiões, o governo estadua avalias critérios de capacidade do sistema de saúde observando indicadores de taxa de ocupação de leitos de UTI por cada 100 mil habitantes e UTI's disponíveis para atender aos casos da covid; também considera os números de casos, internações e óbitos pela doença.

Mas para que Marília passe a operar apenas com serviços essenciais a prefeitura precisa ser notificada da decisão do ministro, Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a liminar que a cidade havia conquistado junto ao Tribunal de Justiça e que garantia a autonomia do município em relação à flexibilização da quarentena.

Segundo a prefeitura, a notificação ainda não ocorreu. Apesar de a decisão do STF ter acontecido na noite de quarta-feira (24) e do TJ ter sido notificado eletrônicamente, instantes após a decisão ser publicada.

Quando a notificação acontecer o município terá ainda 48 horas para, só então, se "encaixar" na fase vermelha do Plano São Paulo.