Preços do feijão e batata disparam; população reclama

Pesquisa da Fundação Procon mostra alta no preço do feijão de 19,30%

Os preços de produtos da cesta básica que compõem as refeições diárias do brasileiro vêm registrando alta todos os meses, desde março. O feijão e a batata chamam atenção  em razão do alto valor encontrado nas prateleiras dos supermercados. Pesquisa da Fundação Procon, em convênio com o Dieese, mostra a cesta básica no Estado de São Paulo teve alta 8,12% no mês de abril.

O valor do quilo do feijão carioquinha em Marília varia entre R$ 7,30 e  R$ 9,50, dependendo da marca. Conforme pesquisa do Procon, o feijão está entre os produtos que mais subiram no mês de abril: 19,30%. A batata teve alta no preço de 17,56%.  Dos 39 produtos pesquisados, na variação mensal, 36 apresentaram alta.

A vendedora Joana Gonçalves da Silva disse que se assustou com o preço do feijão nas últimas semanas. “Pagava menos de cinco reais e agora quase dobrou o preço. Sou eu que faço as compras no supermercado e vejo que tudo está subindo de preço. Algumas coisas como feijão e batata subiram mais agora. Não sei o que vamos fazer com tudo tão caro e o salário não acompanha”, lamentou.

A dona de casa Josefa de Oliveira Duarte afirma que tenta pesquisar para economizar mas está difícil com a alta dos preços. “Vejo que não tem muito o que fazer porque está caro em todo lugar. Às vezes a gente encontra uma oferta mas logo sobe de novo. O preço do feijão tá muito alto e não dá pra deixar de comer, porque além ser um hábito também é importante, tem ferro, é necessário né”, disse.

Conforme a pesquisa do Procon, de março para abril o quilo do feijão teve elevação de 19,30%; passou de R$ 5,75 para R$ 6,86. Os pesquisadores apontam como causas a diminuição da área plantada, acrescida de problemas climáticos (estiagem no Paraná, geada em Santa Catarina e chuvas abundantes em Minas Gerais) que culminou em menor disponibilidade e piora na qualidade do feijão. Além disso, volumes acima do comum adquiridos pelos consumidores, com o avanço do novo coronavírus, tiveram como consequência a alta nos preços.

Batata

Outro produto alvo de reclamação dos consumidores é a batata, que registrou forte alta. O valor médio do quilo da batata era R$ 4,50 em março e subiu para R$ 5,29 em abril. A variação foi de 17,56%. Conforme a pesquisa do Procon, houve desaceleração no ritmo de colheita da safra das águas e consequentemente, menor disponibilidade de batata. Em 2020, o acumulado foi de 43,36%. O preço passou de R$ 3,69, em dezembro de 2019, para R$ 5,29, em abril de 2020.