UPA soma 272 atendimentos a queixa respiratória na pandemia

Direção defende atendimento seguro e humanizado aos pacientes com queixas respiratórias

Foto: Edio Junior

Desde que a pandemia de Covid-19 atingiu Marília, a UPA reestuturou seu espaço físico e formato de atendimento. Todos os pacientes com queixa respiratória recebem uma triagem específica e cuidados adicionais, com isolamento do fluxo convencional. A unidade já recebeu 272 pessoas com esse perfil.

Foram 123 atendimentos em abril e 149 em maio, até o último dia 28. “A UPA está na linha de frente no enfrentamento da Covid-19, atendendo sintomáticos e assintomáticos, diante da suspeita pelo contato com pacientes suspeitos”, considerou a superintendente do HBU (Hospital Beneficente Unimar), gestor da UPA, Márcia Mesquita Serva Reis.

A unidade fez a adequação de fluxo de pessoas e organizou uma estrutura para atendimento exclusivo e individualizado aos pacientes com queixas suspeitas de Coronavírus.

A UPA também implantou campanhas para o recebimento de doações de insumos utilizados no chamado protocolo roxo, de prevenção à Covid-19, como máscaras de tecido e TNT, aventais descartáveis confeccionados em TNT, álcool 70% em gel e líquido, face shield, óculos de proteção, entre outros itens.

“Diante dessa pandemia, nosso trabalho dentro da UPA foi dividido em duas frentes, a convencional e a do código roxo, com uma área separada e exclusiva para as pessoas com sintomas gripais, sempre com foco em um atendimento humanizado, mas com toda a segurança necessária para todos”, mencionou o diretor técnico da unidade, João Paulo Pilon.

Quando o paciente apresenta sintomas leves, é atendido com notificação à Vigilância Epidemiológica e orientado ao isolamento domiciliar. Se o quadro necessitar de internação é feito o encaminhamento ao serviço terciário (hospitalar).

“Sendo um serviço de urgência e emergência, de porte 3, temos sala de emergência bem equipada para os mais diversas situações, incluindo as críticas e instáveis”, frisou o diretor.