Saúde prevê aceleração de casos de Coronavírus. São 58 agora

Curva de transmissão entra em ascendência em Marília. Risco aumenta

 

Foto: Divulgação

Marília teve um aumento de 21 casos positivos de Coronavírus de terça-feira (19) para essa terça (26), com 58 vítimas confirmadas. Foi o período de maior transmissão na cidade até o momento. O cenário epidemiológico mudou e a Saúde Municipal prevê a aceleração da doença a partir de agora.

Na última terça-feira (19) Marília tinha 37 confirmações. O número aumentou gradativamente durante a semana, com um salto nos últimos dois dias, passando a ser 46 casos no domingo, 53 na segunda e 58 nessa terça.

A Secretaria Municipal da Saúde informou ontem que não fará mais o mapa georeferenciado de casos de Coronavírus, que tem sido atualizado diariamente no site da Prefeitura.

Isso porque a doença já se espalhou pela cidade toda. A Vigilância Epidemiológica Municipal informou ontem, em coletiva online, que agora fala em transmissão ativa, o que significa que o Coronavírus começou a se espalhar em Marília independente de contato com contaminado de fora ou de ida a regiões endêmicas.

A livre circulação do vírus alterou o quadro da pandemia em Marília e a Vigilância Epidemiológica afirmou que a curva de transmissão entrou em ascendência. Ou seja, o aumento de casos será mais rápido.  

“Marília vinha com uma transmissão mais lenta, mas a Saúde Municipal sempre afirmou que essa curva poderia acelerar. O poder público trabalha pelo coletivo e é preciso que cada um também se esforce nesse sentido, pensando no autocuidado e no que ele representa também para a comunidade em torno”, mencionou a enfermeira responsável pela Vigilância Epidemiológica do Município, Alessandra Arrigoni.

A VE pediu atenção redobrada às orientações não farmacológicas: álcool em gel, lavagem frequente das mãos (água e sabão substitui o uso do álcool), uso de máscara caseira com troca a cada duas horas, e evitar tocar o rosto e a máscara.

“Temos que aprender a lidar com a Covid-19. Não temos vacina, nem medicação. Porém, se a doença é nova e de transmissão rápida, também possui medidas de prevenção fáceis e oportunas”, disse a enfermeira.

O secretário municipal da Saúde, Cássio Luiz Pinto Junior, salientou que o maior problema da pandemia é a superlotação dos serviços de saúde, pela transmissão veloz.

“As medidas são essenciais para frear a doença e manter os números em níveis que possamos administrar. Sem colapsar a rede de saúde. Temos uma rede sólida e hospitais com boa quantidade de leitos disponíveis, mas é preciso manter esse controle”, disse Cássio Luiz.

Há oito pessoas de Marília internadas com suspeita de Coronavírus, aguardando resultado de exame. Entre os 58 pacientes positivos, 34 estão curados, houve uma morte e 23 ainda transmitem a doença, mantendo isolamento domiciliar.