Sicoe mantém projeto Curupira durante quarentena

Visitas estão suspensas, mas voluntários se revezam para manter o que já foi feito

 

Foto: Divulgação

O Projeto Curupira Interior parou desde março por conta da Covid-19. No entanto, os voluntários continuam se revezando nas proximidades do Rio do Peixe para manter o que já foi realizado no local. O trabalho respeita as normas de segurança tanto para área de mata, quanto referentes ao distanciamento social pela pandemia.

O projeto social começou em outubro do ano passado e é realizado pelo Sicoe (Sistema Integrado de Comando e Operação em Emergência). Além da parceria com a Central de Penas do Fórum (prestadores de serviços à comunidade por condenações leves).

Esse voluntariado organizou a área do Rio do Peixe para o acesso da comunidade em segurança e sem prejuízo da natureza, com caminhos, escadas “naturais” e sinalizações. Além de limpar e preparar a terra para o plantio.

Numa segunda etapa, foi iniciado o plantio de sementes pelos voluntários e de mudas nativas pela população, através da organização das visitas. A chegada do Coronavírus ao Brasil levou à necessidade de suspender esse trabalho, que vai continuar após a quarentena.

No entanto, para não perder a estrutura organizada na mata, manter vivas as mudas e garantir a germinação das sementes, o voluntariado mantém os cuidados básicos necessários.

“Utilizamos máscaras e luvas, além dos equipamentos de segurança que já utilizávamos, nos revezamos e mantemos distância, sem qualquer aglomeração”, destacou o presidente do Sicoe, Cláudio Schlic.

Schlic ainda continuou: “Mantemos o projeto em respeito à biodiversidade, sem infringir os decretos. Não fosse essa medida, todas as mudas teriam morrido por serem ainda muito novas e frágeis”.

O trabalho segue às quartas-feiras e domingos, mantendo as mais de 13 mil sementes e 200 mudas plantadas na mata no entorno do Rio do Peixe. A meta do projeto, após o fim da quarentena, é se deslocar ainda para outras áreas, semeando 50 mil sementes e plantando 1.800 mudas.

O Curupira Interior tem apoio público, sendo que partiu de um convite do próprio MP (Ministério Público). O trabalho, as sementes e as mudas são supervisionados por um engenheiro agrônomo.