COI diz que Olimpíadas precisam acontecer em "ambiente saudável"

Bach e Tedros juntos assinam memorando de entendimento entre COI e OMS

Em um movimento histórico no meio de uma pandemia, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, assinaram um memorando de entendimento entre as duas entidades neste sábado em Genebra, na Suíça. A ideia por trás desse documento é que o esporte e a atividade física são essenciais para manter a sociedade saudável e de que eles salvam vidas.

Para ambas as entidades, essas são "ferramentas eficazes e de baixo custo" para a prevenção de doenças. Questionado por jornalistas sobre a realização das Olimpíadas de Tóquio em 2021 em meio à incerteza mundial sobre o futuro diante da proliferação do novo coronavírus, ele ressaltou que o evento precisa acontecer em um ambiente saudável e que o memorando de entendimento servirá como guia para que o COI e a OMS se adaptem diante dos cenários.

“Estabelecemos no COI um princípio de que os Jogos precisam ser organizados num ambiente saudável para todos. É uma força conjunta que inclui a OMS e que começou em fevereiro deste ano. Levamos os conselhos da OMS em consideração para tomar nosso adiamento. Eu acho que, há um ano e dois meses para os Jogos, é cedo para começar a especulação dos diferentes cenários e o que podemos precisar para garantir esse ambiente saudável para todos os participantes, por isso que estamos aqui trabalhando juntos e levantando essa questão diariamente, nos adaptando”, disse Bach, também elogiando os esforços da OMS em um momento tão difícil da humanidade.

Voltando ao documento, Bach falou sobre a importância do esporte para a prevenção de doenças: “Podemos ver que pessoas saudáveis e com estilos de vida ativos têm muito mais chances no combate ao vírus e, por isso, estamos prontos para continuar a dar nossa contribuição contra a crise do Covid-19 através da prática esportiva e do chamado para uma sociedade mais ativa”, comentou Thomas Bach, presidente do COI.

De um lado, esse documento visa utilizar a expertise do COI no esporte de alto rendimento para dar exemplos positivos para a sociedade como um todo através dos atletas olímpicos e das Olimpíadas. E, do outro, vai beneficiar o Comitê Olímpico Internacional com o conhecimento da OMS na saúde mundial para criar um plano de ação de olho nas Olimpíadas de Tóquio que, por conta da proliferação do novo coronavírus no planeta, foram adiadas de 2020 para 2021. As duas entidades já trabalham juntas desde 1984 em inúmeras ações.

“Esse memorando se baseia na nossa longa relação, na nossa parceria com outras entidades esportivas também, incluindo a FIFA. Esporte é uma parte crucial para a OMS. Mas esporte é sobre participação: juntas indivíduos, comunidades e países juntos, além de quebrar as barreiras étnicas e geográficas. Sabemos que o esporte é uma grande ferramenta para se alcançar os objetivos da Agenda 2030 (da ONU) para o Desenvolvimento Sustentável e, particularmente, a meta de aumentar a prática de exercícios físicos e esportes na próxima década”, falou Tedros Adhanom após agradecer Thomas Bach pelos esforços do COI durante a pandemia.