Com o pior resultado desde 1957, Anfavea critica condução da crise

Praticamente todas as fábricas suspenderam atividades no mês passado, quando também despencaram vendas internas e exportações.

Com apenas 1.847 veículos produzidos em abril, a indústria automotiva brasileira registrou o pior resultado de sua série histórica, iniciada em 1957. Com relação ao mesmo mês de 2019, quando foram fabricadas 267,6 mil unidades, a queda é de 99,4%.

Praticamente todas as fábricas suspenderam atividades no mês passado, quando também despencaram vendas internas e exportações.

Ao revelar o balanço do setor, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moares, não poupou críticas à condução da crise no País, afirmando que “o Brasil precisa ter uma coordenação melhor para conseguirmos o achatamento da curva da saúde e uma melhor preparação para a retomada econômica”.

O executivo reiterou várias vezes que o setor defende as medidas públicas de isolamento, destacando que todas as montadoras as estão praticando, mas disse ser necessário um trabalho conjunto das iniciativas pública e privada para evitar uma crise econômica mais aguda do que a decorrente da crise na área da saúde.

“Estamos vivendo uma crise institucional. O Brasil poderia ter uma coordenação melhor”, afirmou Moares, ao comentar que a falta de uma coordenação conjunta está prejudicando a economia mais do que o necessário.

Na sua avaliação, a crise econômica poderia ser menos grave se houvesse responsabilidade e coerência dos políticos na coordenação das ações referentes à pandemia e à economia.