Yamaha e Harley-Davidson anunciam retorno das atividades de suas fábricas em Manaus

Yamaha e Harley-Davidson anunciaram o retorno de suas atividades nas fábricas de Manaus em meio a situação crítica da cidade devido à Covid-19.

Yamaha e Harley-Davidson anunciaram o retorno de suas atividades nas fábricas de Manaus em meio a situação crítica da cidade devido à Covid-19.

Por causa da pandemia de coronavírus, as montadoras de motos estavam com a produção suspensa desde março.

Ambas afirmam adotar medidas de proteção para os funcionários no combate à Covid-19.

O retorno às atividades durante a pandemia de coronavírus não é uma exclusividade das montadoras de motos.

 Um relatório da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), divulgado nesta semana, aponta que 21% das empresas consultadas, de um total de 75, optaram por não paralisar suas atividades no Polo Industrial de Manaus (PIM) durante a atual crise.

Principal montadora do país, com quase 80% do mercado, a Honda anunciou a suspensão temporária dos contratos de 6,5 mil trabalhadores em sua fábrica de motos; essa medida será válida por no máximo 60 dias, mas a fabricante planeja retorno às atividades no próximo dia 18.

A BMW havia programado o retorno da produção para 4 de maio, mas, no último dia 30 de abril anunciou a extensão da paralisação até o próximo dia 18 deste mês, nova data de retomada das atividades.

De acordo com a montadora, a mudança é uma "medida é uma ação extra na contingência contra o avanço da Covid-19 no estado do Amazonas".

Juntas, Honda, Yamaha, BMW e Harley-Davidson têm mais de 94% do mercado brasileiro. Mas nem todas as fabricantes chegaram a paralisar as linhas de montagem em Manaus.

 A Kawasaki, por exemplo disse que está trabalhando em "escala reduzida" durante a pandemia.

As outras montadoras de motos de Manaus ainda não divulgaram informações sobre a situação atual das operações. São elas: Dafra, Ducati, Haojue, KTM, Kymco, Suzuki e Triumph.

Yamaha

A Yamaha disse que está tomando "medidas necessárias à prevenção da Covid-19 e à preservação da saúde de seus colaboradores, recomendadas pelas autoridades".

Entre as ações para a retomada, a empresa disponibilizará máscaras higienizadas, álcool gel e medição de temperatura para 100 % dos funcionários, terceiros e visitantes.

A empresa também aumentará a mão de obra da equipe de saúde e de limpeza e mudará horários operacionais visando evitar aglomerações. Quem tiver alguma atividade que não esteja diretamente ligada à produção, continuará em home office.

Harley-Davidson

De acordo com a montadora, os recursos de flexibilização trabalhistas da MP 936 não estão em uso. "Nenhum funcionário foi desligado ou teve contrato suspenso por conta da paralisação temporária", afirmou a montadora.

A fabricante também disse que segue as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). A "Harley-Davidson do Brasil continua monitorando a situação de perto e fará ajustes adicionais conforme necessário", afirmou.

Em São Paulo, onde a Harley-Davidson possui o escritório sede do Brasil, os funcionários estão em home office desde o dia 17 de março.

Indústria de motos brasileira

O Brasil é o 8º maior produtor de motos do mundo, e quase todas indústrias do setor estão no Polo Industrial de Manaus. Atualmente, o setor emprega 12,1 mil pessoas na cidade.