Associação Comercial alerta para as atividades de entregas

 

 

A diretoria da Associação Comercial e Empresarial de Pompeia está alertando a comunidade em geral de que vários segmentos do comércio estão em atividade, enquadrados no Decreto Estadual nº 64881/2020, que valoriza o isolamento social, porém, disponibiliza algumas atividades consideradas essenciais para a subsistência da população. “Essas empresas estão trabalhando normalmente, e também, sofrendo com a paralisação que dificulta uma série de atividades internas que normalmente a população desconhece”, disse o presidente da entidade pompeiana, Rinaldo José Traskini, que desde o começo vem orientando os empresários a seguirem o decreto estadual, que será reavaliado no próximo dia 07. “É provável que haja a prorrogação para mais 15 dias”, suspeita o dirigente de Pompeia, que também está com dificuldades de manter a empresa, considerada essencial pelo decreto paulista.

Apesar da proibição de abertura da maioria das empresas do comércio varejista em todo o Estado de São Paulo, algumas empresas estão liberadas pelo decreto, por serem consideradas essenciais, como são os casos de: farmácias, drogarias, supermercados, açougues, peixarias, mercearias, hortifrutigranjeiros, quitandas, padarias, verdurões, lojas de conveniência, clínicas veterinárias, lojas de suprimento animal, distribuidoras de gás, lojas de venda de água mineral, postos de combustíveis, instituições financeiras e cooperativas de crédito, serviços de saúde, assistência médica e hospitalar, oficinas mecânicas, auto elétrica, serviços de guincho e lojas de material para construção. “Todas esses empresas devem respeitar os critérios de abertura, para evitar aglomerações e grande movimentação de pessoas”, disse Rinaldo José Traskini ao mostrar a abertura parcial do comércio em geral na cidade de Pompeia e demais municípios paulistas.

Outro aspecto já ressaltado pelo dirigente é quanto as empresas que atuarem pelo sistema de entregas, seja por transportadora terceirizada, com os chamados “delivery”, ou pelo sistema de pronta entrega, com os chamados “drive thru”. “Isso quer dizer que algumas empresas podem trabalhar, porém, sem atendimento ao público. De portas fechadas”, avisou ao estimular algumas empresas que ainda não se adaptaram a nova realidade e que por desconhecimento ou insegurança, estão inativas, porém, poderiam retomar a atividade. “Aquele comerciante que quiser trabalhar de portas fechadas, seguindo todos os procedimentos de descontaminação, pode retomar ao trabalho, mas mudando alguns comportamentos”, explicou o dirigente que sugere a revisão de conceitos administrativos e mudanças de comportamento da empresa.

Para Rinaldo José Traskini o Decreto Estadual nº 64881/2020 é muito claro quanto as questões de se evitar aglomerações e contato físico ou de aproximação. “As vendas pela internet são as alternativas mais viáveis e que se encaixam perfeitamente a esta situação para muitos varejistas”, falou o dirigente de Pompeia que estuda meios da associação comercial colaborar com alguns comerciantes neste sentido de e-comerce. “Prestador de Serviço ainda está mais prejudicado, mas em breve haverá alternativas para eles também”, acredita o presidente da associação comercial em Pompeia que defende a tese de que ao se reinventar, o comércio mais uma vez vai superar a crise eminente. “A humanidade já mostrou que é na dificuldades que evoluímos”, defende o dirigente pompeiano.