Editorial

                      Enfim, uma correção necessária

 

Pressionado pela sociedade e até por alguns vereadores, o presidente da Câmara Municipal de Marília, Marcos Rezende (PSD) colocou, finalmente, em votação o projeto que revoga o indecente aumento salarial para a próxima legislatura. Foi o próprio Marcos Rezende quem promulgou o aumento de 29% para os vereadores no mês de janeiro, depois que o prefeito Daniel Alonso (PSDB) fez vistas grossas, não vetou e nem sancionou a lei. Uma jogada política que acabou saindo pela culatra a partir do momento que seis dos sete vereadores que tinham votado a favor do aumento voltará atrás, pedindo a revogação da lei.

Lógico que em situação difícil na economia do País, alto número de desemprego, a comunidade se revoltou e houve protestos na Câmara Municipal. Isso sem falar da tempestade de críticas nas redes sociais, o que chegou a assustar os edis.

Contudo, o presidente do Legislativo mariliense, Marcos Rezende ficou reticente e foi “empurrando com a barriga” o projeto para revogação do absurdo aumento dos vereadores para a próxima legislatura. Se a situação era ruim, ficou muito pior com a pandemia do coronavírus que afeta o País e vai provocar uma verdadeira tragédia na economia brasileira.

Na última segunda-feira foi preciso sessão extraordinária para colocar em votação o projeto de revogação do aumento de salários (emenda esdrúxula de 29% a mais nos vencimentos). Lógico que nenhum vereador se manifestou contra a revogação. Afinal de contas, a sociedade reagiu e acabou “marcando” aqueles sete edis que tinham votado a favor do aumento. As críticas bombaram nas redes sociais, o que fez aumentar o medo de ser rejeitado nas urnas nas próximas eleições. Na verdade, agora diante da pandemia do coronavírus há possibilidade de não acontecer a eleição em outubro, pela dificuldade de se manter os prazos da justiça eleitoral. Se isso acontecer, os vereadores (como também o prefeito Daniel Alonso) terão seus mandatos prorrogados. Mas, enfim, se fez uma correção necessária, porque é simplesmente absurdo se elevar o salário de um vereador em Marília de R$ 6.718,12 para R$ 8.670,00; do presidente da Câmara passaria para R$ 9.630,00.