Suspeitas de dengue chegam a 787 em Marília

A prevalência do risco continua na zona oeste, com 111 possíveis vítimas no Argolo Ferrão

Foto: Edio Junior

Os casos suspeitos de dengue em Marília chegam a 787, com mais de 200 notificações na última semana. Até o momento o Instituto Adolfo Lutz confirmou 181deles por exame laboratorial. A prevalência do risco continua na zona oeste, com 111 possíveis vítimas no Argolo Ferrão e outras 41 no Chico Mendes (bairros e adjacências).

No Argolo, 54 dos 111 casos estão confirmados e no Chico Mendes, 17 dos 41. Depois, a região do Santa Paula, na zona sul, vem em terceiro lugar na quantidade de casos, com 35 suspeitas, sendo 14 pacientes confirmados.

O Santa Antonieta, na zona norte, aparece em seguida, com 34 suspeitas. Na dengue, as suspeitas são essenciais tanto para o tratamento quanto para as ações de controle da transmissão, já que o diagnóstico laboratorial pode demorar semanas.

Os casos notificados como suspeita tiveram diagnóstico prévio por exame clínico (de sinais e sintomas). Só o Prontomed notificou 108 suspeitas à Vigilância Epidemiológica Municipal, seguido da Santa Casa de Misericórdia, com 70 registros.

Ambos os serviços de saúde têm unidades de Pronto Atendimento para pacientes com planos de saúde e particulares, o que mostra que a dengue não é uma doença própria de bairros carentes.

Mesmo que a comunidade do Argolo Ferrão tenha tido muitos criadouros do mosquito transmissor em função do lixo acumulado em áreas abertas, o Aedes aegypti se reproduz rapidamente em qualquer quantidade de água parada, problema comum a toda população.

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde tem reiterado a importância das pessoas adquirem o hábito de manter seus imóveis livres da dengue.

A supervisora da Vigilância Epidemiológica, Alessandra Arrigoni, já salientou que o apoio da população é fundamental. “A Prefeitura tem feito a sua parte, mas a colaboração da comunidade é de extrema importância para impedir a proliferação do mosquito. Temos casos espalhados por todo o município e todos têm que fazer a sua parte, eliminando os criadouros”.

A verificação dos quintais precisa ser semanal, tempo necessário para o Aedes se proliferar.  De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, 80% dos focos são localizados dentro das residências.

Dicas de prevenção

O Estado aconselha a população a deixar a caixa d’água bem fechada e realizar a limpeza regularmente; retirar dos quintais objetos que acumulam água; cuidar do lixo, mantendo materiais para reciclagem em saco fechado e em local coberto; eliminar pratos de vaso de planta ou usar um pratinho que seja bem ajustado ao vaso; e descartar pneus usados em postos de coleta da Prefeitura.