Editorial

E agora Aécio?

 

A partir do momento em que os envolvidos em escândalos de corrupção no Brasil foram presos vieram à tona informações importantes para a Polícia, Ministério Público e Justiça.

Graças aos “dedos-duros” que entregam seus antigos comparsas para serem beneficiados com penas menores a serem cumpridas na Justiça, muitos desvios de dinheiro público têm do descobertos.

Algumas técnicas utilizadas no Brasil foram extraídas de práticas comuns da Justiça no caso da máfia italiana, desbancada após grande desfalque aos cofres públicos deste importante país europeu, algo parecido com o que aconteceu por aqui nos últimos anos.

Desta vez, o empresário, que já foi um dos mais poderosos do mundo, saindo até mesmo na lista da Forbes, Eike Batista, entregou Aécio Neves de ter recebido R$ 20 milhões em propinas.

Em depoimento à PGR (Procuradoria-Geral da República) Eike Batista detalhou como foi feito o pagamento. O dinheiro era uma contrapartida pela ajuda de Aécio às empresas de seu grupo junto ao poder público, em especial em Minas Gerais.

O empresário citou a concessão de licenças ambientais como um dos benefícios concedidos ao grupo de Aécio e detalhou os repasses, que eram feitos a um amigo do neto do ex-presidente Tancredo Neves.

Preso duas vezes nas operações Eficiência e Segredo de Midas, que apontou um esquema de manipulação do mercado de capitais e lavagem de dinheiro para o ex-governador Sergio Cabral, Eike Batista foi solto em agosto do ano passado.

Grande criador de especulações que atraiam investimentos do exterior para o Brasil, Eike Batista foi flagrado em diversos esquemas de corrupção, sobretudo nos governos petistas.

Diante de mais esta evidência que vem às claras, fica mais do que comprovado que o Brasil vive uma crise política generalizada e não adianta achar que o problema é única e exclusivamente o Partido dos Trabalhadores.

A corrupção está enraizada na política nacional e ainda serão necessárias muitas punições a culpados e renovação em âmbito político para que haja a tão esperada moralização.

Claro que o desvendamento dos crimes correspondem a um grande passo que vem sendo dado pelo País nos últimos anos.

Neste processo, a participação das pessoas é fundamental com a busca constante pela informação e a cobrança aos políticos. Mais do que isso. É preciso fazer valer o poder do voto e não escolher mais as raposas velhas da política que mamam nas tetas do poder sem dó.

As informações estão nas mídias sociais e podem ser acessadas facilmente. Leia, se informe, não sirva de massa de manobra. Faça a diferença! Ajude a construir um país melhor!