Dobra número de vítimas da dengue em Marília

A cidade está com 123 casos confirmados e 561 suspeitos

 

Dobra o número de vítimas da dengue em Marília. A Vigilância Epidemiológica atualizou as notificações suspeitas para 561 e os casos já confirmados por análise laboratorial são 123. Até a semana passada o município tinha 61 pacientes com resultado positivo e outras 398 suspeitos de ter a doença.

O boletim divulgado nessa sexta-feira (7) pela VE aponta que a maior parte dos casos confirmados de dengue deste ano continua no bairro Argolo Ferrão e proximidades (46).

Entre os demais, 11 são moradores da área de abrangência da USF Santa Paula (Unidade de Saúde da Família) e os oito restantes se dividem entre as UBSs Chico Mendes (zona oeste) e Santa Antonieta (zona norte).

Além dos 123 casos positivos, outros 561 são considerados suspeitos e estão sendo investigados. Desses, 96 pacientes são da área da USF Argolo Ferrão, 82 foram notificados pelo Pronto Atendimento Unimed, 45 pela Santa Casa, 23 residem na área da UBS Santa Antonieta, 22 na área das UBSs Chico Mendes e Santa Paula e 20 na área da USF Santa Antonieta I.

O Hospital Universitário (Unimar) e a Santa Casa registraram quatro casos cada; o PA sul, a UPA zona norte e o PA Unimed, outros dois; e HC/Famema, mais um caso.

No estado de São Paulo, janeiro teve 10.890 casos confirmados de dengue, com dois óbitos (Presidente Venceslau e Osvaldo Cruz). Também houve oito casos de chikungunya e um de zika (doenças transmitidas pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti).

Os números demonstram queda em comparação a janeiro de 2019, quando houve 24.640 casos e 17 mortes. No ano passado todo, foram 403.258 casos de dengue, com 265 óbitos. Houve ainda 72 casos de zika e 314 de chikungunya, sem óbitos de ambas as doenças.

A região de Marília, englobando 62 municípios de abrangência do DRS IX (Departamento Regional de Saúde, vinculado ao Estado), soma 975 casos confirmados de dengue em janeiro de 2020.

Ainda com relação à dengue, no primeiro mês deste ano, dez cidades concentram 42,2% dos casos confirmados e somam 4.605 casos. A saber: Ribeirão Preto (1.076); Votuporanga (756); Catanduva (610); Potim (519); Mococa (371); Guararapes (356); Lorena (245); Cruzeiro (241); São Paulo (219) e Lucélia (212).

Cenário mariliense de dengue

A pior epidemia de dengue em Marília aconteceu em 2015, quando houve pelo menos 15 mil vítimas da doença e 20 óbitos em decorrência dos seus agravos. O vírus circulante da dengue na época era o vírus tipo 1.

Em 2019 a cidade teve nova epidemia, dessa vez com surgimento do vírus tipo 2 e aproximadamente três mil casos confirmados. O Município ainda não informou resultado de isolamento viral em 2020, mas há quatro subtipos do vírus da dengue e as pessoas que tiveram a doença só ficam imunes ao subtipo que a contaminou, sendo que o risco de gravidade aumenta a cada contágio.