Usuária tenta pegar seis remédios, mas não consegue nenhum deles

Ana de Oliveira esteve na Farmácia Municipal Central com as receitas, mas deixou o serviço de mãos vazias

Foto: Edio Junior

A dona de casa Ana de Oliveira esteve na Farmácia Municipal Central com uma lista de seis medicamentos e saiu do serviço sem nenhum deles. Apenas um dos remédios foi informado pela Secretaria da Saúde como não sendo padronizado pelo SUS. Os demais deveriam estar disponíveis.

Dos seis remédios receitados para Ana de Oliveira, somente o cloridrato de claritromicina não é padronizado pelo SUS. Ou seja, o sistema público não oferece. Só que a dona de casa precisa também de insulina, AAS, levotiroxina sódica, sinvastatina e omeprazol.

A Secretaria da Saúde confirmou que a sinvastatina está em falta, mas não explicou o porquê. E afirmou que AAS, omeprazol e levotiroxina não estão em falta. Só que Ana compareceu à Unidade Central do Município na quinta-feira e saiu de mãos vazias.

A insulina também, segundo a pasta, estaria em falta só na Farmácia Municipal da Zona Sul, mas, na prática, Ana de Oliveira não conseguiu essa medicação na unidade central.

A Prefeitura centralizou as farmácias da rede básica, uma por região, para, entre outras razões, diminuir a falta de medicamentos, concentrando o estoque nessas unidades. No entanto, as queixas de falta de remédios continuam.

“As faltas continuam e a gente ainda tem que se deslocar até essas farmácias, que ficam longe da unidade de saúde do nosso bairro. E muita gente saiu sem remédio da farmácia Central na quinta-feira, eu não fui a única.

E lembro bem que na campanha para prefeito, Daniel Alonso prometeu até remédio entregue em casa”, desabafou a dona de casa. Ana mencionou ainda a falta de gaze na unidade de saúde do Chico Mendes.

Vacina Pentavalente

A vacina pentavalente também começou a apresentar falta na rede básica no ano passado. O problema foi nacional e teve início em maio. “As vacinas eram exportadas da Índia e a Anvisa detectou problema no lote, proibindo a entrada no Brasil”, mencionou a Secretaria Municipal da Saúde.

De acordo com a pasta, na terça-feira (14) será distribuída uma remessa nas unidades de saúde de Marília, porém, por enquanto o Município ainda desconhece a quantidade correta.