Professora aposentada, Romilda Rapado tem mais de 500 músicas compostas

Aos 90 anos, ela mantem o hábito da leitura e continua compondo

Por Izabel Dias

Aos 90 anos, a professora aposentada Romilda Nemer Rapado sempre dividiu o amor pelo magistério com as composições musicais. Ao longo de quase 40 anos como educadora em escolas estaduais e municipais de Marília, Romilda  escreveu centenas de músicas educativas, infantis e até carnavalescas.

“Tenho mais de 500 composições. Já fiz até música para o aniversário da Globo, fiz para o aniversário de Marília. Já escrevi sobre o fundador de Marília, Bento de Abreu Sampaio Vidal. São músicas educativas, a maioria”, disse.

Romilda Rapado lecionou muitos anos no Estado como professora substituta e também em escolas municipais como Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve (Padre Nóbrega), Saci Pererê. Ela começou criando músicas com temas educativos para seus alunos cantarem. Depois a inspiração foi aumentando e ela passou a compor músicas de diferentes temas.  Sobre política, chegou a fazer uma música abordando o ‘Mensalão’ e outra com o título “Tudo termina em pizza”.      

A professora tem registro de compositora e já participou da Associação dos Poetas e Escritores de Marília. Ela lembra com orgulho do tempo de atuação no magistério. “Trabalhava com amor, compreendia os alunos, tratava a todos de forma igual. Hoje tem muitos profissionais em Marília que foram meus alunos”, disse.

No último mês de dezembro, ela compôs ‘O Vício”, que fala do perigo da bebida alcoólica em excesso. (A bebida em excesso é um perigo/ Guarde em sua memória/ Se você convir comigo/Por favor fique de fora/  Se você beber não dirija/ O álcool não faz bem a ninguém/ Você pode causar acidente/ Matar tanta gente/ E morrer também/ ) “Essa música sobre a bebida fiz na época das festas, que é apropriada”.

Viúva e mãe de três filhos (Maria Cristina, André Luiz e Márcia Regina), a professora  Romilda continua escrevendo e mantendo a memória ativa com palavras cruzadas e jogos como Sudoku. “Não me sinto com 90 anos. Gosto muito de escrever, quando vem a inspiração, faço uma música”. Romilda Rapado tem todas as composições guardadas e nenhuma chegou a ser gravada. “Se alguém quiser gravar eu gostaria”.