Corregedoria apura denúncias contra médico

Profissional tem um histórico de denúncias na Ouvidoria Geral do Município

 

Foto: Divulgação

A Corregedoria Geral do Município instaurou processo administrativo disciplinar para apurar denúncia contra o médico de iniciais C.A.P.I. que atua na UBS Cascata.

O profissional teria questionado a necessidade de uma paciente grávida estar na unidade em busca de atendimento e não teria feito a consulta devidamente. Além de ter conferido tratamento desrespeitoso.

A denunciante foi até a UBS Cascata no dia 29 de outubro para consulta por conta da gravidez. Durante o atendimento, segundo ela, o médico questionou “o porquê  da  paciente ter ido  ao  Posto  de  Saúde,  pois    tinha  passado  por  um médico   particular”.

A declarante mencionou o direito ao acompanhamento por um médico público e o profissional teria respondido, aumentando o tom de voz:

“você tem o direito de ir até a ponte e pular. E aí? Você vai fazer valer o seu direito também? Para que você quer uma segunda opinião médica, pois o Dr. J. pode falar que você é gordinha e eu falar que você é gordona”. 

A paciente alega que o médico C.A.P.I. não conferiu seus documentos, não realizou nenhum exame físico e nem aferiu a sua pressão arterial. A paciente alegou que se sentiu humilhada e chorou muito, não se sentindo confortável em passar novamente por consultas com esse profissional.

A denúncia foi formalizada também no Cremesp (Conselho de Medicina). Houve ainda denúncia anterior feita contra o mesmo médico à Corregedoria Geral do Município.

Nesse caso ele teria dito a uma paciente que deveria continuar com incontinência urinária, pois não havia solução para seu caso, também tendo sido grosseiro durante o atendimento e não efetuando todas as etapas de uma consulta de rotina.

Existe um histórico de denúncias efetuadas contra o médico C.A.P.I. na Ouvidoria Geral do Município.