Editorial

                  As manobras do STF para manter Lula solto

 

O jogo é bem mais sujo do que se possa imaginar. Se a decisão (apertada) da corte favoreceu rapidamente o criminoso condenado em terceira instância, Luiz Inácio Lula da Silva, imaginem só o que está por vir, com manobras toscas, deliberadas e nojentas de ministros do Supremo Tribunal Federal.

Para entender melhor a situação, é bom esclarecer que Lula não foi inocentado. Ele foi liberado da prisão com base no absurdo inventado pela corte, derrubando entendimento de 2.016 e com a velha história de que a Constituição diz que devem ser esgotados todos os recursos. Ora, fica escancarado que se trata de decisão dirigida ao criminoso petista, podendo se entender que ele deve ficar livre enquanto tiver dinheiro para pagar os caros advogados, que não cessarão de impetrar recursos junto aos órgãos superiores da justiça (TRF, STJ e STF).

Os advogados apresentaram embargos no Superior Tribunal de Justiça, com o único objetivo de retardar o processo que trata do tríplex do Guarujá e a consequente condenação que está em vigor.

Em setembro, a defesa de Lula pediu ao STJ para suspender a análise dos embargos de declaração até que a Segunda Turma do STF julgue dois habeas corpus, um que aponta a suspeição de Moro e outro, dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba. O habeas corpus que pede a suspeição de Moro é o que está mais adiantado no STF e deve ser julgado neste ano, conforme tem indicado o ministro Gilmar Mendes - cabe a ele liberar o processo para julgamento da Segunda Turma porque pediu vista. Isso o Gilmarzão fará com muito prazer!

O argumento da defesa de Lula ao pedir a paralisação dos embargos no STJ é que, se a Segunda Turma do STF decidir que Moro não foi um juiz imparcial, todo o processo do tríplex será anulado. Consequentemente, a própria decisão do STJ que manteve a condenação também será anulada.

Ou seja, as jogadas e entendimentos entre ministros do STF e advogados de Lula vão muito além do que se possa imaginar. É pura armação”.

Nesse cenário, não há como prever um prazo para que o caso do tríplex transite em julgado - ou seja, tenha todos os recursos esgotados -, e, consequentemente, para que Lula volte a ser preso, se todos os seus recursos forem negados. Mas quem acredita nisso, já que o STF já deu a senha para os inesgotáveis recursos, que não acabarão nunca.

Será a gota de lama na justiça brasileira se a suspeita Segunda Turma do STF acatar habeas corpus da defesa de Lula, considerando a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro que condenou o petista. Mesmo porque o time pró Lula é formado por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. E todo mundo sabe que Gilmar Mendes é contra a operação Lava Jato, contra os procuradores e juízes, sendo o maior soltador de bandidos (peixes graúdos) da história deste País. Se votarem pela suspeição de Moro, será a derrocada total, não só do STF, mas da justiça brasileira que já está atolada no lamaçal. Não por acaso, já que há ministros que muito fazem para que isso aconteça, mesmo que eles continuem gozando de absurda impunidade, já que não são julgados por ninguém! Mas é bom que coloquem as barbas de molho e mirem o exemplo da Bolívia!