Marília tem saldo positivo de 284 vagas em agosto

Em agosto foram registrados na cidade 2.154 admissões e 1.870 desligamentos de empregos com carteira assinada

A cidade de Marília registrou saldo positivo de 284 novos empregos no mês de agosto, conforme levantamento divulgado pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) órgão do Ministério da Economia.

Em agosto foram registrados na cidade 2.154 admissões e 1.870 desligamentos de empregos com carteira assinada.

O setor que mais contribuiu para o aumento das contratações foi de serviços, seguido pela construção civil, comércio e agropecuária. 

 A indústria de transformação registrou saldo negativo, com mais demissões do que contratações em Marília.

No acumulado dos últimos 12 meses, Marília teve 24.391 admissões e 22.770 desligamentos, com um saldo positivo de 1.621 empregos criados.

Conforme o levantamento do Caged, na região administrativa de  Marília – que detém 1,8% do total de empregos formais do Estado –, o nível de emprego aumentou em 2.910 postos de trabalho (foram 21.524 admissões e 18.614 desligamentos).

No Estado de São Paulo foram gerados 74.453 postos de trabalho no 2º trimestre de 2019, resultado de 1.250.041 admissões e 1.175.588 desligamentos.

NACIONAL

O levantamento do Caged mostra ainda que pelo quinto mês consecutivo, o Brasil teve um saldo positivo na geração de emprego formal.

Em agosto, o número de vagas adicionais no mercado de trabalho foi 121.387, que é o saldo positivo decorrente 1.382.407 admissões e de 1.261.020 desligamentos.

O resultado de agosto representa uma variação de 0,31% em relação ao mês anterior.

Foi o melhor resultado para o mês de agosto desde 2013, conforme mostram os números.

No acumulado de 2019 foram criados 593.467 novos postos, com variação de 1,55% do estoque do ano anterior.

No mesmo período de 2018 houve crescimento de 568.551 empregos.

Entre os principais setores da economia, quatro tiveram saldo positivo de emprego e em dois houve mais fechamento de vagas no mês encerrado em agosto.

Lidera o número de empregos gerados a área de serviços (61.730 postos), seguida por comércio (23.626), indústria de transformação (19.517), construção civil (17.306), administração pública (1.391) e extrativa mineral (1.235).

Apresentaram saldo negativo a agropecuária (-3.341 postos) e os serviços industriais de utilidade pública/SIUP (-77 postos).

 

Por Izabel Dias