Sinsaúde percorre serviços de saúde da Famema

Desde a decisão de parar, tomada no último dia 12 em assembleia, não houve contraproposta por parte da diretoria da instituição

O Sinsaúde percorre os serviços do Complexo Famema a partir de hoje(19) para reuniões com os trabalhadores sobre o movimento grevista.

 

Desde a decisão de parar, tomada no último dia 12 em assembleia, não houve contraproposta por parte da diretoria da instituição.


Hoje, o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde vai estar às 13 horas em frente ao Hospital São Francisco (unidade III do Hospital das Clínicas).

 

O mesmo ainda será feito amanhã, em frente ao Hemocentro, e na segunda-feira, em frente ao Materno Infantil, no mesmo horário.


“A ideia é transmitir o que foi definido em assembleia, reforçar o estado de greve e discutir o andamento do movimento”, mencionou o presidente sindical, Aristeu Carriel.


A data-base da categoria é junho, mas não houve abertura à negociação, nem contraproposta.

 

A diretoria da instituição alega falta de governabilidade para conceder reajustes porque o HC/Famema (serviços de saúde) é uma autarquia estadual. 


“A posição da Famema é a mesma, não recompõe salários, nem negocia as condições de trabalho ou o quadro de funcionários. Sendo assim, mantém-se o estado de greve, já aprovada em assembleia e com início agendado para o dia 30 de setembro”, salientou Aristeu Carriel.


O Sinsaúde já entrou com processo contra a Famema pelo reajuste salarial e manutenção das demais cláusulas nos anos de 2012, 2015, 2016 e 2017.

 

Anos em que os trabalhadores da Famema (funcionários da Saúde) tiveram 0% de aumento.


Nos anos de 2013 e de 2014 houve reposição salarial por greve e em 2018 o aumento salarial concedido pelo Governo do Estado aos servidores da Famema forçou a instituição a conceder reajuste aos demais funcionários da Saúde por pressão sindical com base na isonomia dos trabalhadores da instituição.

 

 

Por Carolina Godoy