Campanha antirrábica começaria no sábado, mas teve que ser cancelada

O motivo é o desabastecimento de vacinas

A Campanha contra Raiva em Marília deveria começar no próximo sábado, mas está cancelada.

 

O motivo é o desabastecimento de vacinas.

 

O Ministério da Saúde não vai enviar as doses, pelo menos até novembro.

 

Por conta disso, nem a vacinação de rotina está sendo feita pela rede pública municipal.


Em julho o município recebeu o comunicado do Ministério da Saúde informando que o quantitativo previsto para o segundo semestre de 2019 não havia sido entregue pelo produtor da Varc (vacina antirrábica).

 

Com isso, as remessas, na ocasião, priorizaram os estados com maior incidência de raiva.


Na ocasião, a Secretaria de Estado da Saúde foi pega de surpresa ao solicitar 1,5 milhão de doses ao governo federal, o que seria suficiente para atender a demanda até a primeira quinzena de agosto, quando novo pedido seria feito.


O pedido não foi atendido.


O estoque da rede pública de Marília está zerado desde o meio do ano e por enquanto não há um novo posicionamento federal, o que pode acontecer a partir de novembro.

 

Sem segurança sobre o envio de doses o Município não pode organizar a campanha antirrábica que estava pré-programada para os próximos três sábados deste mês de setembro.


Além disso, o final do ano seria uma época desfavorável à campanha municipal contra raiva que tem a Unimar como principal parceiro. Isso porque os acadêmicos de Medicina Veterinária, que são maioria na aplicação das vacinas estarão em fase de conclusão do ano letivo.


Quem não quiser deixar seu animal sem vacina contra raiva neste ano, terá que pagar. Restam apenas as doses das clínicas particulares. A realidade é comum a grande parte do país.

 

 

Por Carolina Godoy