Movimento conta com grupo especializado em Marília

O trabalho é formado por psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, professores e enfermeiros engajados na prevenção ao suicídio

O Grupo de Prevenção ao Suicídio de Marília se coloca à disposição de entidades, escolas, empresas e instituições em geral.

 

Segundo os profissionais responsáveis, durante o Movimento Setembro Amarelo, voltado a essa temática, aumenta a procura por ajuda e o trabalho desenvolvido por eles é gratuito.


O trabalho é formado por psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, professores e enfermeiros engajados na prevenção ao suicídio.

 

Eles promovem palestras, capacitações e rodas de conversas sobre sinais e formas de prevenção, de acordo com a procura, mediante agendamento e sem custo.


Além disso, o grupo oferece atendimento psicológico mediante triagem social.

 

Neste caso, o público-alvo é a pessoa em sofrimento que não tem plano de saúde ou condições de assumir atendimentos particulares.


“Fazemos uma triagem social e, dessa forma, cobramos uma taxa mínima somente para comprometer o atendido e assegurar sua vaga. Estamos dispostos a atender as pessoas em sofrimento. Basta que nos procurem”, disse a psicóloga Luciana Handa. 

 

O atendimento é agendado individualmente e com a segurança da discrição por parte dos profissionais.

 

Cada um atendendo em seu próprio espaço.


A psicóloga frisou que o Grupo de Prevenção ao Suicídio está disponível, através do telefone 99789-0927.

 

“Partimos da frase da psicóloga, suicidologista e escritora Karina Okajima Fukumitso, que lançou a pergunta: Por que se calar, se falar é tão importante?”, disse Luciana.  


Durante o Setembro Amarelo, assim como no ano todo, esse trabalho está aberto aos convites para a prevenção e tem um enfoque especial nos grupos de risco, como servidores de penitenciária, idosos, jovens e adolescentes com automutilação, alunos que passam por bullying e pessoas com deficiência.


Luciana Handa, junto com mais duas psicólogas, Beatriz Handa e Juliane Dionísio, também integra o Grupo de Enlutados, paraos casos de suicídio já ocorridos.

 

O trabalho tem pouco mais de um ano e é voltado a familiares de suicidas, guardando discrição em relação aos participantes.

 

A adesão aos encontros é gratuita. 


O objetivo é oportunizar a escuta e o compartilhamento da dor. 

 

Os encontros acontecem toda terceira quinta-feira do mês, às 19h30.

 

O local é a Faculdade Sul Americana, na rua Quatro de Abril, nº 51.

 

“Somente durante o Setembro Amarelo não faremos nosso encontro de enlutados por estarmos envolvidos de forma mais intensa com o movimento de prevenção”, observou Luciana Handa. 


Disque 188


O CVV (Centro de Valorização da Vida) é considerado o maior aliado da Saúde na prevenção ao suicídio.

 

O número da ligação, anônima e gratuita, é 188, disponível 24 horas por voluntários do Brasil todo e também anônimos. 


Prefeitura


A Prefeitura Municipal chama a atenção para a prevenção ao suicídio, divulgando os serviços públicos que podem atender pessoas em sofrimento psíquico.

 

São eles Caps, Prontos Atendimentos, Pronto-Socorro, unidades básicas de saúde, hospitais e o próprio CVV.

 

 

Por Carolina Godoy