Chuva beneficia café, milho e colheita da mandioca

A chuva também contribui para o desenvolvimento da produção nas plantas maiores

Depois de quase 30 dias de estiagem  no mês de agosto a chuva chegou no final de semana em Marília beneficiando setores da agricultura como o cultivo do café, da mandioca e as pastagens.  

Conforme dados do Ciiagro, de 01 a 27 de agosto choveu apenas 3,6 milímetros em Marília.

Foi o mês com menor índice de chuva este ano.

No mês de janeiro foram registrados 141,9 milímetros de chuva; em fevereiro 182 milímetros, abril 51,4 milímetros e julho 24,4 milímetros.

Com o tempo seco em agosto, foram registrados vários focos de queimadas na cidade e também em municípios da região.

A chuva do final de semana anima os produtores rurais.

Segundo o engenheiro agrônomo, Claudio Funai, diretor técnico do EDR (Escritório de Desenvolvimento Rural)  de Marília,  a chuva é bem vinda e beneficia quem está plantando café, principalmente lavouras mais novas (com até três anos).

A chuva também contribui para o desenvolvimento da produção nas plantas maiores.

Nesta época do ano também ocorre o preparo do solo para o plantio do milho e a chuva é benéfica.

Outra cultura beneficiada pela chuva recente é a mandioca, já que estiagem resseca o solo e dificulta colheita. 

Grande parte da região de Marília é formada por pasto que também é diretamente afetado por longos períodos de estiagem.

“O gado já estava sofrendo com a pastagem seca. Precisamos agora de regularidade”, disse o agrônomo. 

Conforme previsão do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), o dia nesta terça-feira (03) em Marília terá temperatura mínima de 16 graus e máxima de 31 graus e possibilidade de chuvas isoladas durante todo o dia.

 

 

Por Izabel Dias