MAC aposta no retrospecto de melhor visitante em Catanduva

Atacante Breno (à esq.) deve ser uma das novidades hoje, às 15h, no estádio Silvio Salles

O Marília Atlético Clube (MAC) estreia hoje (dia 17) na 3ª fase do Campeonato Paulista da 4ª Divisão (Sub-23). Às 15h, no estádio Silvio Salles, o adversário é o Catanduva FC. Se depender do retrospecto fora de casa, a chance é grande do Alviceleste conquistar pelo menos um ponto nesta 1ª rodada, já que o time é o melhor visitante da competição: 70,8% de aproveitamento (cinco vitórias, dois empates e uma derrota).

Aliás, o Marília tem melhor campanha na ‘Bezinha’ fora do estádio Bento de Abreu do que como mandante (66,6%). Outro número que mostra a força maqueana é que o time nunca deixou de marcar pelo menos um gol como visitante. Já no Abreuzão, a única vez em que “passou em branco” foi no empate de 0 a 0 contra o Itararé, pela 2ª rodada da 1ª fase. Além disso, o Alviceleste possui o segundo melhor ataque do estadual, com 34 gols marcados em 16 jogos (média de 2,13).

Ricardo x Pinho

O jogo deste sábado também marca o confronto dos técnicos Ricardo Costa x Pinho. Os dois disputaram mata-matas nas duas últimas edições da 4ª Divisão. Em 2017, o atual treinador maqueano levou a melhor nas quartas de final, quando dirigia o EC São Bernardo e eliminou o Taquaritinga. Já no ano passado deu o comandante do Catanduva, que estava no Comercial e passou sobre o São José na semifinal. A curiosidade nesses duelos é que o vencedor terminou como vice-campeão.

“O Pinho é um grande treinador e eu o respeito muito por sua história. Sei que teremos muitas dificuldades de jogar em Catanduva. Ele gosta muito da ‘ligação direta’, sempre tem um centroavante alto e forte, time fisicamente encorpado e bola aérea boa. Eu o considero um grande conhecedor da divisão, pois sabe montar grandes equipes”, destacou Ricardo Costa. Em número de jogos disputados entre os treinadores, Pinho leva a melhor sobre Ricardo, pois são: três vitórias contra uma, além de dois empates.

Goleiro e capitão maqueano, Geílson trabalhou nas duas últimas temporadas com o atual comandante do Catanduva e falou sobre o estilo de seu ex-treinador. “O Pinho é conhece muito bem a divisão, já trabalhou em vários times e tem sete acessos. Não é por acaso que ele conseguiu classificar o Catanduva. No começo deste ano ele estava no Bandeirante (Birigui) e chegou a me levar pra lá, mas depois veio a proposta do Marília. É um técnico bem chato, gosta muito de ter jogadores bem altos, time copeiro, quando fazem um gol a marcação fica só atrás da linha da bola e jogam por uma bola no contra-ataque. Teremos que ter paciência, mas não podemos abrir mão do nosso estilo de jogo, ou seja, mesmo fora de casa, tentar se impor para pelo menos somar um ponto”, comentou.

Desfalque de última hora

A delegação maqueana viajou ontem, às 18h30, para Catanduva e a principal ausência foi o atacante PH, titular nas duas últimas partidas (inclusive com um gol marcado na última). O jogador voltou a sentir o músculo posterior da coxa direita, assim como aconteceu na goleada para o Joseense (6 a 0). Seu provável substituto será Breno, que pode recuperar a posição.

Outro desfalque certo por contusão é o meia Wélder, que se machucou no começo desta semana (adutor da coxa esquerda). Contudo, o atleta já estava fora dos relacionados há três rodadas. Seu retorno aos treinos deve acontecer na próxima terça ou quarta-feira. Poupados na última rodada, o zagueiro Brunão e o volante Mykaell devem voltar nas vagas de Guilherme Café e Matheus Chiclete, respectivamente.

Catanduva

O Catanduva FC não perde há dois jogos. Aliás, a derrota para o Fernandópolis fora de casa por 2 a 1 (na 2ª fase), foi a única do clube desde que o técnico Pinho assumiu o comando – após a 7ª rodada da 1ª fase, no lugar de José Macena. Na ocasião, o time estava na vice-lanterna do grupo e o treinador ainda levou a equipe ao 2º lugar na classificação.

Pinho fez 12 partidas com o Catanduva até agora: cinco vitórias, seis empates e uma derrota (58,3% de aproveitamento). Porém, o trabalho do treinador na ‘Bezinha’ 2019 havia começado no Bandeirante de Birigui e depois de quatro derrotas em quatro jogos, ele deixou o clube. Para enfrentar o Marília hoje, o comandante manteve o mistério na escalação.

Como mandante no estádio Silvio Salles, o Catanduva tem pouco mais da metade do aproveitamento (51,8%). São nove partidas com: três vitórias, cinco empates e uma derrota. Para o jogo de hoje, o árbitro será Humberto José Junior, auxiliado por: Leandro Matos Feitosa e Ítalo Magno de Paula Andrade.

 

Catanduva – Daniel Reis; Raphael, Leonardo Cruz, Gabriel e Jackson; Daniel Jesus, Leonardo Silva e Ângelo; Caio, Vinícius Lima e Everton. Técnico: Pinho.

 

Marília – Geílson; Mateus Mima, Gutierrez, Brunão e Lucas Praxedes; Hebert, Mykaell e Ícaro; Erik Bessa, Breno e Lucas Lima. Técnico: Ricardo Costa.