Movimento de esquerda protesta contra a reforma da Previdência e o sucateamento do ensino público

Faixas, bandeiras e cartazes mostraram a indignação com o atual presidente da República, Jair Bolsonaro

Assim como acontece em diversos municípios do País, frentes de esquerda protestaram contra a reforma da Previdência e o sucateamento do ensino público, ontem (13), na Praça Saturnino de Brito, no centro de Marília.

 

Faixas, bandeiras e cartazes mostraram a indignação com o atual presidente da República, Jair Bolsonaro.

 

“Este ato está acontecendo no Brasil inteiro. Acredito que esta não seja apenas uma manifestação da esquerda, mas sim um protesto contra as ações do governo Bolsonaro para tirar os recursos da nação e entregar aos bancos”, comentou o vice-presidente do PT (Partido dos Trabalhadores) e dirigente da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), Juvenal Aguiar.

 

Segundo o dirigente petista, a intenção do governo Bolsonaro é a de privatizar as universidades públicas.

 

“Não podemos aceitar isso. As pessoas vão ter que pagar para frequentar cursos do ensino superior. Defendemos a social democracia”. 

 

Na manifestação, faixa do PCO (Partido da Causa Operária) defendeu a liberdade para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

“Na gestão do PT o salário mínimo tinha aumentos maiores. Agora, não se repassa mais do que o índice da inflação”, criticou Juvenal.

 

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) e a Força Sindical também apoiaram a manifestação de ontem, bem como o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade).

 

O docente da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Jair Pinheiro, disse que há um ataque financeiro do governo Bolsonaro tendo os cortes de verbas às universidades públicas como ideologia.

 

“Estão querendo deslegitimizar o papel da ciência. O governo tem feito campanha anti-educação, gerando a desconfiança da sociedade no professor”.