Comédia “Vale a Pena Rir de Novo”, de Gustavo César, mostra que vale a pena viver

Novo espetáculo do Coletivo “Quasilá” apresenta o prazer de viver, efeito contrário do suicídio

Após dois anos em cartaz com “O Mambembe”, o Coletivo “Quasilá”  apresenta hoje e amanhã, às 20h, no Teatro Municipal “Waldir Silveira Melo”, a comédia “Vale a Pena Rir de Novo”, que leva aos palcos o efeito contrário da morte, ou seja, nada pode ser mais prazeroso do que viver intensamente.

Com texto e direção de Gustavo César, a peça conta com interpretação da atriz Natália Lima, como a protagonista Cecília.

Gustavo também atua e interpreta Augusto, um detetive pouco qualificado.

Na comédia, Cecília tem todo seu dinheiro da poupança roubado após ser traída pelo noivo no dia do casamento e, por consequência da traição, sofre um grave acidente de carro.

Depois de tanto acontecimento ruim, Cecília busca ânimos para voltar a ter prazer de viver. Para investigar a traição, ela contrata um detetive - seu melhor amigo, Augusto, que acaba servindo também de psicólogo.

Em meio aos problemas, a montagem do “Quasilá”  mostra que todo equívoco humano é satirizável.

“Para chegar nessa proposta cênica que envolve o humor, o grupo mergulhou numa pesquisa com base em números e depoimentos.

Mais de 80% do público que comparece aos espetáculos do ‘Quasilá’, ao longo desses 11 anos de história, concorda com a frase ‘rir é o melhor remédio’.

É no momento do humor que os problemas externos da vida são esquecidos, pelo menos por algumas horas”, diz o autor.

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), à venda na bilheteria do Teatro Municipal duas horas antes de cada sessão. Quinta-feira (15), à 9h, o grupo fará uma sessão gratuita da peça, que tem como público-alvo adolescentes e jovens a partir dos 14 anos.

Depressão e suicído

Um dado importante para a montagem da peça foi a divulgação pela OMS - Organização Mundial da Saúde de estudos mostrando que a quantidade de casos de depressão cresceu 18% em dez anos, com a previsão de que, até 2020, a mesma será a doença mais incapacitante do planeta, tendo os quadros depressivos como as principais causas de suicídio no mundo.

Em Marília, por exemplo, apenas nos primeiros cinco meses de 2019, 12 pessoas cometeram suicídio.

Na maioria dos casos, o problema principal foi depressão, que ocasiona a baixo autoestima.

“As cenas foram criadas a partir de relatos reais de vida, evidenciados na protagonista da peça.

 Após as apresentações, a ideia do grupo é também promover um debate com o público e fazer a divulgação do telefone 188, do CVV - Centro de Valorização da Vida, que auxilia na prevenção do suicídio dando atenção à pessoas que sofrem de ansiedade e depressão”, comentou a atriz Natália Lima.

No calendário de 2019, o Coletivo “Quasilá” ainda tem, no próximo dia 14 de setembro, às 20h, no Teatro do Sesi de São José do Rio Preto, o encerramento regional da turnê do espetáculo “O Mambembe”, dirigido por Kleber Lourenço, em circulação desde 2017.

Mais informações no blog www.quasila.blogspot.com ou na página Teatro Quasilá do Facebook.