Vigilância confirma caso de Sarampo em Marília

Homem teria contraído a doença na Capital

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde de Marília confirmou, nesta segunda-feira (05), que está trabalhando em bloqueios contra o sarampo no município.

 

Foram registrados 12 casos, sendo 11 suspeitos e um positivo.

 

No caso confirmado, trata-se de um morador de São Paulo que passou pela cidade no mês de julho e teria contraído a doença na Capital.


Em casos suspeitos, as equipes de saúde do município, com apoio dos serviços envolvidos no diagnóstico, fazem o bloqueio identificando todas as pessoas que tiveram contato com o paciente.

 

São aplicadas vacinas de reforço e investigados possíveis sintomas.


Conforme dados da Secretaria de Estado da Saúde, os municípios paulistas registraram 632 casos confirmados este ano, a maioria na Capital e entorno (484).


Altamente transmissível, o vírus do sarampo passa de uma pessoa para outra através do contato com gotículas do nariz, da boca ou da garganta da pessoa infectada, quando ela tosse, espirra e respira.


VACINA


A principal proteção é a vacina.

 

Para imunização são necessárias duas doses.

 

A rede municipal disponibiliza o imunobiológico e recomendou a verificação das cadernetas, com vacinação a todas as pessoas com idade entre sete e 29 anos.


Os adultos acima de 30 anos e os nascidos a partir de 1960, também devem ser vacinados, de acordo com a anotação – completando ou iniciando o esquema vacinal.


Diferente da capital paulista, onde é realizada Campanha específica, na região de Marília a oferta de vacina segue nos parâmetros normais.

 

A saúde está fazendo a vacinação de rotina e também eventuais bloqueios, em casos de suspeita.


NOTIFICAÇÕES


Na Vigilância Epidemiológica, não é feita a notificação específica de Sarampo em casos suspeitos, mas é feita a notificação de doenças exantemáticas, um rol de patologias que incluem o sarampo.


Em 2016 foram oito casos suspeitos de doenças exantemáticas na cidade e todos foram negativos para sarampo.

 

Em 2017 houve três suspeitas, também todos negativos.

 

Já no ano passado, a Saúde verificou sintomas em dez pessoas e nenhum caso foi confirmado.

 

Esse ano, a Saúde notificou sete casos suspeitos.

 

Até agora, nenhum positivo autóctone (contraído no município).


Em 2018, ainda segundo a Secretaria Municipal da Saúde, houve campanha específica contra Pólio e Sarampo.

 

O município superou a meta do Ministério da Saúde e imunizou 96% das crianças (com mais de um ano e menos de cinco).


Porém, grupos da população com idade superior podem ter maior probabilidade de não possuir a vacina.

 

Por isso, a importância de procurar uma unidade, com a caderneta em mãos.