Com ajuda do cartório, mulher encontra aliança perdida

É a segunda vez que o cartório é acionado em casos como este, garantindo final feliz para as famílias

O Cartório Parra de Registros de Marília, mais uma vez contribuiu para que as lembranças do matrimônio fossem mantidas através da localização de uma aliança perdida.

É a segunda vez que o cartório é acionado em casos como este, garantindo final feliz para as famílias. 

No dia 6 de julho, Maria José Nogueira de Cerqueira Cesar, de 89 anos, foi à missa na Igreja Nossa Senhora da Glória com a amiga Thereza Villar Esteves e afirma ter perdido a aliança no interior da paróquia.

Ela é viúva desde 2009 e usava sua aliança e a do marido Clóvis de Cerqueira César em uma das mãos.

“Senti que a aliança caiu do dedo, procuramos muito mas não encontramos”, disse. 

O casal Antônio Francisco Silva Cruz e Sandra Regina de Oliveira Cruz, estava na missa naquele dia e como trabalhou no acampamento com a equipe de evangelização, permaneceu na igreja após a missa para uma reunião.

Um dos jovens do grupo localizou a aliança de dona Maria José e entregou para Antônio que guardou imediatamente. 

“Coloquei no nosso grupo da igreja informando que tínhamos encontrado a aliança, informamos os nomes que constavam na aliança para saber se seria de alguém mas não localizamos”, disse Francisco. 

O casal decidiu então procurar o Cartório Parra e a escrevente Jaqueline Catarina Martins começou a busca.

Na aliança estavam gravados os nomes ‘Maria José e Clóvis’ e a data  5 de abril de 1953.

Com essas informações, a escrevente consultou o sistema e levantou as informações com os nomes completos do casal dono da aliança. 

Ontem todos os envolvidos na história foram até o Cartório Parra para entrega da aliança.

O registrador Antônio Francisco Parra, mostrou para dona Maria José, o livro onde foi registrado seu casamento com as assinaturas dos noivos e das testemunhas.

Muitas lembranças foram compartilhadas. 

Antônio Parra falou da importância do trabalho desenvolvido pelos cartórios na vida do cidadão.

“Aqui é onde tudo começa com o registro de nascimento, a criança nasce e já sai daqui inclusive com o CPF. Os cartórios não são apenas para procedimentos burocráticos; eles têm grande importância porque protegem a vida do cidadão. É também importante ferramenta de registro histórico”, disse.

O Cartório de Registro Civil de Marília foi criado em outubro de 1927. 

OUTRO CASO

No início do ano, outro caso semelhante colocou o Cartório Parra novamente como ‘investigador’ do sumiço de uma aliança.

Uma auxiliar de limpeza encontrou uma aliança enquanto fazia a limpeza no supermercado em que trabalhava em Marília e guardou. 

A aliança pertencia ao aposentado Vicente Lazarini, de 81 anos que perdeu enquanto fazia as compras.

A partir da data 7 de setembro de 1963 e os nomes ‘Vicente e Dionéas’ gravados na aliança, a escrevente Jaqueline Martins fez as buscas nos registros até localizar o casal.

A aliança foi devolvida e o caso ganhou grande repercussão na mídia, inclusive com reportagem no programa   ‘Fantástico’ da Rede Globo.